Resultado de busca para : 




A primeira plataforma de Influenciadores Digitais de moda e lifestyle do mundo

TODOS OS POSTS

70 resultado(s) encontrados.
  • O capuz está em alta

    O capuz faz parte de várias peças de roupas, como casacos, camisetas, moletons e alguns vestidos e macacões. Ultimamente ele tem sido um dos queridinhos da celebridades, e vem reaparecendo com tudo nos looks dos famosos. Uma das adeptas é Rihanna, ela usa e abusa dos capuzes em seus looks de show e do dia a dia. Usado, muitas vezes, para esconder-se dos fotógrafos e cliques indesejados o capuz serve principalmente pra proteger do frio. Muitos uniformes escolares vêm com capuz e a moda também bebe disso. Os jovens seguem as tendências e ele caiu nas graças já faz muito tempo. A pegada urbana continua aí e pode ser vista em vários looks e semanas de moda mundo a fora, com isso o capuz é alçado a hit fashion entre os antenados. Surge como um símbolo de rebeldia, algo cool, ou até mesmo “gangstah”. Mas há de se ter cuidado, pois só ele não significa que o look vai ser sofisticado. Pra dar certo é preciso saber mesclar, combinar e descombinar, se preciso for. Dá pra combinar um moletom de capuz com um blazer num estilo mais cool, urbano. É possível também, investir numa parte de baixo mais ousada, como uma calça skinny e salto alto. Ou ainda optar por um estilo totalmente fashion com um moletom oversized de capuz com uma bota de cano super alto. Muitas marcas famosas trouxeram o capuz como ícone fashion para suas criações, a coleção Rihanna pra Puma vem toda trabalhada no capuz, assim como a Chanel e a Fenty. Você pode entrar nessa onde de forma muito simples, pegue um moletom de capuz e mescle-o com peças que já tem, seja uma jaqueta jeans ou um blazer, misture com uma calça de alfaiataria. Experimente, ouse. Que tal um moletom de capuz com uma calça de vinil e um saltão?  

    Leia Mais

  • Protegido: Nova campanha Plié

    Protegido: Nova campanha Plié Publicado em 25/04/2017 NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • Participação especial em Memorial de Maria Moura

    A minissérie Memorial de Maria Moura (1994) é um dos trabalhos mais celebres de Glória Pires na televisão brasileira, adaptação do romance de Rachel de Queiroz. Na história, Glória era Maria Moura, personagem principal da trama, que perde a mãe aos 17 anos e é seduzida pelo padrasto. A jornada de Maria inicia quando ela decide enfrentar seus primos numa batalha de disputa pelo seu sítio. Tonho, Irineu e Firma são os parentes maus caracteres da protagonista. Ao longo da jornada ela se apaixona, mesmo tentando ser forte não resiste à paixão que sente. Imagem: TV GloboA força feminina é importante na série como energia motriz para os acontecimentos, Maria Moura é uma mulher forte, um personagem feminino muito icônico na luta das mulheres pelos seus direitos, no caso o direito a sua propriedade. Nas cenas em que aparece ainda criança, é representada por Cleo, com 11 anos, em seu primeiro personagem na televisão, e a primeira experiência como atriz. Cleo lembra que esse momento foi como uma brincadeira, que não tinha experiência em interpretação, queria era se divertir. Em entrevistas da época chegou a dizer que não pretendia seguir a carreira da mãe. “Vou ser modelo e depois veterinária ou arqueólogo, para procurar dinossauros”, afirmava Cleo aos 11 anos. Muitos anos passaram até Cleo decidir seguir carreira de atriz e se preparar para a profissão, nesse meio tempo ela foi chamada para protagonizar a novela Cabocla e negou, para seguir estudando, não achando propício o momento. Sempre em busca de personagens únicos Cleo vem desde então emplacando mulheres fortes.

    Leia Mais

  • Cantareiros e a solidariedade por meio da música

    Levar alegria, bem-estar e afeto para pessoas em necessidade, através do canto em grupo. Contribuir para a humanização dos tratamentos hospitalares, e elevação da auto-estima e da esperança de idosos e crianças em necessidade é o objetivo do projeto social Cantareiros. Sob a direção de Jules Vandystadt, o grupo de 7 cantores experientes se reuniu para, através do canto, levar conforto e momentos de alegria para pessoas em hospitais, instituições médicas, asilos e orfanatos. Com início em 2007, o projeto acontecia somente por meio das visitas no mês de dezembro, época do Natal, com canções tradicionais natalinas, em arranjos musicais diferenciados. Atualmente o grupo conta com aproximadamente 170 cantores e instrumentistas que se revezam nas visitas, apresentando músicas em arranjos vocais de vozes mistas, a cappella ou acompanhados por instrumentos. Em 2015 o grupo passou a realizar visitas regulares de março a novembro, encerrando o ano com a já famosa “Maratona de Natal” no mês de dezembro, onde diversas instituições são visitadas em todo Rio de Janeiro, nas zonas norte, sul e oeste da cidade. No repertório, músicas brasileiras e estrangeiras que falam de paz, união, amor, esperança e alegria. “Enquanto idealizador eu sinto orgulho do projeto, comecei em 2007 com pouco cantores, e é impressionante como ele cresceu em 10 anos, vejo o Cantareiros como meu projeto de vida. Gostaria de ter uma sede, transporte, ter cursos de musicalização para pessoas com necessidades especiais, e espalhar essa marca para outros tipos de assistência sempre com relação à música, pois a premissa nossa é levar a música pra humanizar os tratamentos médicos, os cuidados de idosos e crianças”, ressalta Jules Vandystadt. Imagem: Acervo Grupo CantareirosCom o objetivo de espalhar amor e solidariedade através do canto, para o máximo de pessoas possíveis, dentro e fora do Rio de Janeiro. Para eles, a música como veículo terapêutico de bem-estar e cura, a solidariedade enquanto caminho de humanização e auxílio, o canto como ferramenta de conexão e afeto, e quem dirá ao contrário ao ouvir a primeira nota?! “Pra esse ano, após a oficialização da Ong, esperamos dar conta das propostas que vem aparecendo e fechar parcerias para e expandir o projeto Cantareiros pra várias cidades do país e até mesmo para fora do Brasil”, pontua Jules Vandystadt. Ao longo de 10 anos o grupo Cantareiros já realizou mais de 300 visitas, sendo mais de 51 no ano de 2016. Pretendem expandir as atividades do grupo cada vez mais, em âmbito nacional. O projeto foi indicado ao Prêmio Extraordinários 2014 (Jornal EXTRA) na categoria saúde. A premiação contemplava iniciativas sociais de pequeno porte, mas de largo alcance, que visam melhorar a qualidade de vida da comunidade. A próxima apresentação será no Hemorio, dia 26 de abril, pela manhã. Para saber como colaborar com o projeto e agendar visitas basta acessar o site – Cantareiros.

    Leia Mais

  • Meia estação e as possibilidades de estilo

    Meia estação e as possibilidades de estilo No outono, as temperaturas caem. Com o frio, é necessário pensar sempre em carregar um casaquinho. Publicado em 22/04/2017 Por: Carol Souza Nem frio nem calor. Os dias mais amenos estão nesta temporada com força total e elegemos peças essenciais e curingas para você compor as suas produções do dia a dia. Tricot Leve e ao mesmo tempo ideal para as temperaturas mais baixas, o tricot deixa qualquer visual aquecido e pronto para todas as horas. Seja nos casacos, suéteres ou blusas você ficará antenada e quentinha. Parkas Se der aquela esfriada, as parkas são ótimas opções. Se esquentar você pode amarrar a peça na cintura. Um toque descolado e cheio de estilo. Comprimentos longos são ótimos, pois disfarça o quadril e dá aquele mood repaginado. Uma dica: lisas ou estampadas, no mood camuflado o visual ganha notoriedade e um toque atemporal. Invista sem medo! Coletes Eles são uma graça e deixam o visual hi-lo e com personalidade! Aposte nas sobreposições, elas dão um “quê” atemporal. Nada mais prático e versátil quando se deseja dar uma renovada no visual. Peças-curinga que transitam por toda a temporada no estilo perfeito. Aposte! NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • Um outono de cores vibrantes

    Entra ano e sai ano e as tendências de cores mudam, o outono/inverno 2017 traz cores fortes e vibrantes como inspiração nas criações dos grandes estilistas nas semanas de moda mundo a fora. Quando pensamos em outono logo vem à cabeça bege, marrom, nudes, até pode ser e tá valendo, pois essas cores e tons nunca saem de moda e deixam o look discreto e chique. Mas esse anos a inspiração vai além, com destaque para o vermelho, amarelo, azul, verde e rosa. O vermelho surge como renascimento, destaque e vivacidade, em vestidos, saias, malhas, capas, casacos e acessórios. Ela vem para aquecer nas estações mais frias do ano. Reprodução da InternetO azul, chega com status de novo pretinho básico, em tons mais escuros remontando os uniformes militares. Vestidos de noite e alfaiataria destacam o uso da cor nas criações. Reprodução da InternetO verde Grennery, é cor destaque para o ano e já foi visto no look de várias celebridades e antenados em moda. Todas peças de roupas e acessórios podem ser vistos nessa cor, no outono ela continua emprestando a vivacidade na hora de escolher o que vestir. Reprodução da InternetO rosa, ou Quartzo Rosa, continua com sua delicadeza nas próximas estações. Podendo ser visto em peças chave, acessórios ou até mesmo looks all pink. Acessórios como cardigans, echarpes e chapéus nesse conferem um toque especial ao look. Reprodução da InternetE quem disse que não se pode usar um bom amarelo no outono? A ideia de que estações frias combinam somente com cores frias e escuras já não existe mais. Então pode sim usar amarelo pra compor o visual outonal e até mesmo invernal. Reprodução da InternetAs tendências de cores estão aí, o bacana é muitas já estão há algum tempo no nosso guarda-roupa, daí fica mais fácil misturar as peças, as cores e os tons e criar um look inspirado nas tendências com o que tem-se em casa, sem ter que sair correndo atrás de peças nessas cores. A moda tem se democratizado, o lance é ver a tendência e conferir a ela seu toque pessoal. Vamos experimentar?

    Leia Mais

  • Mexeu com índio, mexeu com o clima

    Todo dia deveria ser dia de índio, no entanto, 19 de abril se comemora o dia do índio, dos primeiros habitantes do nosso Brasil. Há muito que se fazer em prol dos povos indígenas, pensando nisso, resolveu-se apoiar uma campanha que envolve todo mundo: “Mexeu com índio, mexeu com clima”. O objetivo é demonstrar apoio da sociedade aos índios do Brasil na luta por seus direitos à terra, e também, contra o desmatamento que ocorre em grande parte de terras espalhadas pelo país. Vamos pintar nossos rostos e postar nas redes sociais para conscientizar o mundo da importância dessa causa. Basta pintar o rosto com alguma maquiagem de cor vermelha. O genocídio dos povo indígenas As comunidades indígenas tem diminuído, desaparecido, e os índios em sua maior parte tem perdido seu espaço no meio do processo capitalista que acaba por excluí-los. Durante os anos da ditadura militar (1964-1985), aproximadamente mais de 8,3 mil índios foram assassinados no Brasil. Mas os grandes avanços estabelecidos pela Constituição de 1988 para salvaguardar os direitos dos índios estão sob crescente ameaça. O brutal desmonte da política indigenista nos últimos anos e a ofensiva sem precedentes para impedir demarcações e, inclusive, tentar reduzir as terras indígenas já homologadas, afetam diretamente os quase 900 mil índios, divididos em 305 povos que falam 274 idiomas, que resistem no país. Reprodução da InternetOs direitos indígenas tem de ser garantidos, junto deles questões como a do desmatamento e extração de madeira ilegal tomam outro rumo. O próximo capítulo dessa luta será entre 24 e 28 desse mês. Movimentos indígenas irão realizar uma grande manifestação em Brasília. Chamada Acampamento Terra Livre, que mobilizará cerca de 1,500 lideranças indígenas de todo Brasil no intuito de unificar as lutas em defesa do Brasil indígena. Essa mobilização indígena ensina ao Brasil novos caminhos de resistência e respeito aos direitos constitucionais e humanos de todas as minorias. Reprodução da InternetDar posse de terras a quem é de direito Os esforços que envolvem os custosos monitoramentos de terras, com intuito de proteção da Floresta Tropical Amazônica e punição a quem desmatar não atingem a meta. Vários países tentam fechar o cerco e diminuir o desmatamento, no entanto, pouco se consegue. Surge então a ideia, mais simples, barata e objetiva, entregar às comunidades indígenas o título dessas terras. Em estudo publicado no periódico “Proceedings of the National Academy of Sciences”, o desflorestamento foi reduzido em 75% em regiões que passaram a ser formalmente controladas por índios no Peru. Segundo matéria do Jornal O Globo desse mês – por meio de análises de imagens por satélite, pesquisadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) compararam a cobertura florestal antes e dois anos após uma região ser cedida oficialmente a comunidades indígenas. Dessa forma, foi possível realizar medições diretas dos benefícios para a preservação da floresta. Além disso, após a titulação formal, os indígenas podem ser aconselhados por agentes do governo sobre as melhores práticas para a preservação da floresta e outros serviços oficiais. Existem no Peru cerca de 1.200 comunidades indígenas, formadas por aproximadamente 330 mil índios. Elas controlam cerca de 10 milhões de hectares de florestas no país. Reprodução da InternetA luta contra atividades ilegais, como o desmatamento e a extração ilegal de madeiras, é difícil, devido a extensão territorial da floresta da localização. Os governantes lutam contra esse processo, mas esquecem de colocar o índio no centro dessa questão. Ocupantes históricos dessas áreas, eles podem ser aliados expressivos nesse combate. A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e se estende por nove países da América do Sul, sendo sua maior parte no Brasil. No Peru, o ecossistema cobre mais da metade do território do país, e sua preservação é um imenso desafio. As comunidades indígenas são responsáveis pelo gerenciamento de aproximadamente um terço das florestas nos países em desenvolvimento, mais que o dobro das áreas protegidas pelos governos. A experiência do Peru se mostrou bem sucedida, mas não é possível extrapolar para outros países sem estudos específicos. No país seria possível dar a essas comunidades títulos que legalizassem a posse das terras, auxiliando nessa questão e também devolvendo aos povos indígenas o que é seu de direito, historicamente.

    Leia Mais

  • Romance à beira do Rio Araguaia

    Em setembro de 2010, às margens do Rio Araguaia, nascia a história de Estrela Karuê ou Estela Rangel, personagem vivida pela Cleo na novela Araguaia. Exibida no horário das 18h, o folhetim foi escrito por Walter Negrão e colaboradores, com direção geral de Marcelo Travesso e Marcos Schechtman. Par romântico de Mutilo Rosa, ela viveu um triângulo amoroso e pode se aprofundar ainda mais nas suas raízes brasileiras por meio a personagem com traços indígenas. Dividida em duas fases, Araguaia começava em 1845 durante a Revolução Farroupilha, no Rio Grande do Sul, com o romance de Antônia e o índio Apoena. Durante um ataque a fazenda onde Antônia mora, o índio foge com ela. A paixão proibida desperta a raiva da índia Iarú que com ajuda de um Xamã lança uma maldição sobre Apoena e Antônia – enquanto houver sangue Karuê sobre a Terra, a começar por aquele menino que Antônia está dando à luz, todos os filhos homens dela e de suas futuras gerações terão morte prematura às margens do Rio Araguaia. Antes de morrer, essa história num caderno de receitas, que é passado de geração em geração. Para entender a Maldição Karuê Imagem: TV GloboA segunda fase se passa muitos anos depois, e inicia com o encontro de Fernando Rangel (Edson Celulari) com seu filho o qual teve pouco contato, Solano (Murilo Rosa), em uma cidade chamada Pirenópolis. Rangel vai à cidade com a esposa Estela (Cleo Pires). Disputas de terras e poder movem a história, além do triângulo amoroso entre Estela, Solano e Manuela. Após Solano decidir se estabelecer na estância, ele vive uma paixão às margens do Araguaia, ao conhecer Manuela (Milena Toscano), filha de Max (Lima Duarte), um coronel autoritário e que manda na região e que encontra em Solano um desafeto. Não só Max, Solano enfrentará o conturbado triângulo além da maldição descrita por Antônia na primeira fase. A trama teve grande audiência e destaque país à fora e até mesmo no exterior, recebendo indicações ao Emmy Internacional de melhor novela. Imagem: TV GloboEm entrevista ao Gshow, Cleo disse que achava lindas as roupas e as pinturas de Estela, que era importante para a vida da personagem. Ressaltou o trabalho minucioso e o ritual diário de pintura corporal. Para as cenas ritualísticas dá personagem, na busca por livrar o amado da morte ela afirmava: “Dá muito trabalho. Antes de tudo, você tem que estar impregnado do personagem. A história me emociona. Eu me coloco presente na trajetória do personagem. Tento pensar como a Estela pensaria. Como se trata de uma história de ficção, os rituais não existem de verdade, mas pegamos alguns elementos, como o respeito à hierarquia, os índios não têm o hábito do contato físico, não se abraçam, ficam em posição de cócoras em cerimônias, entre outras coisas”, destacava ela. Cleo não definia Estela como mocinha ou vilã, avaliava que a personagem “fazia o que fosse preciso para conquistar objetivos”. A imparcialidade sobre os personagens continua até hoje, ela prefere deixar que eles sigam seus rumos a julgar suas ações. Confira o vídeo de Cleo falando um pouco sobre a personagem:

    Leia Mais

  • PreparaNem – curso pré-vestibular para pessoas transexuais

    O projeto PreparaNem é um curso pré-vestibular, preparatório para o Enem e concursos públicos, voltado para pessoas em situação de vulnerabilidade social. O foco principal do projeto são travestis, mulheres transexuais, homens trans e pessoas transgêneros, que diversas vezes são excluídas do convívio social, escolar e familiar, perdendo a oportunidade de dar continuidade aos estudos. Os municípios da região leste fluminense como: Niterói, São Gonçalo, Magé, Maricá e Rio Bonito são o foco do PreparaNem Niterói. Ano passado cerca de 60 alunos foram beneficiados pelo curso, sendo 18 no polo de Niterói. Os professores são colaboradores, voluntários, e suas aulas são ministradas na sede do GDN – Grupo Diversidade Niterói e GTN – Grupo Trans Diversidade Niterói, facilitadores do curso. Imagem: Acervo PreparaNemSó em 2016, foram cerca de 60 (sessenta) pessoas/alunes beneficiadas pelo PreparaNem, sendo 18 (DEZOITO) no pólo Niterói. Todos os nossos professores e colaboradores são voluntários e ocupamos atualmente a sede do GDN e GTN, que são os nossos facilitadores nessa empreitada e que constroem e mantém o PreparaNem Niteroi. “Manter os alunos no curso é uma grande empreitada, pois alguns trabalham na noite e muitas vezes vão direto da aula pro trabalho, ou chegam cansados, no entanto, o desafio em si é este, mesmo com as dificuldades existentes, poder proporcionar junto com os participantes do curso a evolução de cada um e uma inserção nas escolas, cursos e universidades, culminando na chegada ao mercado de trabalho”, afirma Bruna Benevides, a coordenadora do projeto. Ano passado em Niterói, as aulas iniciaram com 6 alunos, chegaram a 18 e terminaram com 9, aumento de 50% na procura e participação, contrariando os índices altos de evasão escolar que vem ocorrendo em todos os pré- universitários sociais. Resultados oficiais sobre o ENEM 2016 das pessoas beneficiadas com o PreparaNem Niterói: 3 pessoas aprovadas na UFF – SISU 1 pessoa na PUC – PROUNI e na UFF – SISU 1 pessoa em Concurso público Se antes não havia nenhuma oportunidade de concorrer com os privilegiados, os exemplos acima enchem de alegria e esperança de dias melhores os colaboradores do projeto e demais alunos. Conscientizando a população da necessidade de se lutar contra a Transfobia, transformando as estruturas educacionais que hoje são excludentes e opressoras. Imagem: Acervo PreparaNemO PreparaNem Niteroi foi indicado para concorrer a Medalha Paulo Freire 2017, pela atuação no combate ao analfabetismo, inclusão escolar das pessoas Trans e luta pelos direitos humanos. Para se manter foi criada uma campanha para arrecadar fundos para o projeto “PreparaNem Niteroi – Curso Pré Vestibular/ENEM”. A arrecadação servirá para compra de materiais auxiliares na manutenção e em especial para custear passagens de alunos. Que tal pensar no assunto, a atitude foi tomada, colaborar também faz parte: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/preparanem-niteroi.

    Leia Mais

  • Looks com peças metalizadas estão em alta

    Looks com peças metalizadas estão em alta O metalizado chega pra ficar, como tendência nos looks. Publicado em 15/04/2017 Por: Carol Souza O metalizado aparece agora nas propostas do dia. E você não pode deixar de investir nesta temporada. Um brilho extra e uma dose de estilo garantido para as suas produções ganharem um novo fôlego! Seja primavera, verão, outono ou inverno, esse material e essa forma de inserir o brilho no look chegou como tendência e parece continuar nas próximas estações. Dá pra compor de várias formas, seja com acessórios, seja com peças de roupas. Mesclar é uma ótima ideia para não sobrecarregar o visual com o brilho do metalizado, deixe ele como um toque, uma peça chave para trazer aquele destaque. Blusas: As t-shirts perderam o posto de serem apenas básicas! Elas agora são as peças-curinga para compor qualquer look. Ainda mais com texturas, brilhos e detalhes – a proposta é deixar o básico nada básico. Invista. Saias: Elas são atemporais e transitam com força total nesta temporada. Aposte no modelos mídis, que estão em voga, e tenha looks criativos. A feminilidade extra que você precisa. Calçados: Sabe aquela produção, pretinho básico? Agora não mais! Porque eles também merecem um foco. Saia do óbvio e ouse na irreverência. Estilos, formatos e cores vibrantes embarcam nessa temporada. Introduza sem medo o METAL em seu look diário. Você vai ganhar estilo garantido e criar novas propostas com peças complementares do seu guarda-roupa. O metal chegou para você investir já! *Imagens da galeria retiradas da Internet NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • Uma breve história das camisetas

    Ela não sai do nosso corpo, está por todos os lugares, temos muitas, de várias cores, estampas e imagens diferentes. A camiseta ou tshirt, como preferir chamar, há muito é a queridinha de todo mundo, não somente dos fashionistas, até mesmo os que não curtem muito modismos tem no seu armário diversas delas. São democráticas, não tem idade nem gênero. A história da camiseta começa tempos atrás e passa por muitas gerações até chegar no que conhecemos hoje. Reprodução da InternetHistoricamente, foi na antiguidade a partir da nomenclatura dada a túnica dupla que os romanos usavam, chamada camisia, que podemos considerar o ancestral das nossas camisetas. Quase uma roupa íntima, ela tinha o objetivo de proteger as túnicas da transpiração. Com o passar das décadas, assim como muitas coisas na nossa forma de vestir, o que era underwear deixa de ser e vai sendo incorporado ao vestuário de outra forma. Capa da revista Life, de 1942Reprodução da InternetEm 1098 os exércitos europeu e americano usaram nos campos de batalhas camisetas brancas para amenizar o calor. Daí surge a dúvida, quem teria criado a peça, europeus ou americanos? Independente da resposta, a partir daí ela se tornou peça de roupa presente em quase todos os guarda-roupas. Principalmente ao aparecer na capa da Revista Life de 1942. Marlon Brando Reprodução da Internet Tshirt Cleo + Mesclado: Ainda dá tempo de ter a sua. Ao chegar ao cinema vestindo Marlon Brando no filme “Uma rua chamada pecado” a camiseta ganha status de ícone na pele do ator que se torna símbolo sexual, em seguida James Dean traz a rebeldia e o sinônimo de contestação a tshirt. Desde então, nas décadas seguintes, homens e mulheres a utilizaram como plataforma pra protestos, colocando diversos slogans e carregando consigo, como o caso dos anos 60 e 70, onde os jovens nadavam contra a acorrente na busca pela autenticidade. Integrantes da banda Sex PistolsReprodução da InternetCarregar fotos, ícones, frases, marcas é a cara delas. Não há como fugir de um look calça jeans e camiseta, popularizado pelos Beatles, ou especificamente por John Lennon, aderindo ao movimento pró-NY, nos anos 70. Daí em diante muita coisa muda na moda e na forma de vestir, no entanto, as tshirts continuam carregadas de significados, sejam quais forem. Podemos ver looks básicos e minimalistas, ou camisetas incrementadas, com estampas, bordados, imagens, enfim, inúmeras possibilidades. Afinal, quem não curte um boa camiseta? John Lennon Reprodução da Internet

    Leia Mais

  • Como se perder em… Gramado

    Feriadão de páscoa chegando e a vontade de chocolate aumentando cada vez mais. As ruas estão repletas de lembretes que é hora do chocolate- cartazes, outdoors, placas e anúncios. A pedida é o chocolate, seja em formato de ovo, seja em barras, meio amargo, ao leite, branco, de todo tipo. Pra quem tem feriado maior e pode aproveitar pra viajar uma ótima pedida é a serra gaúcha, em particular a cidade de Gramado. Reconhecida pelo Festival de Cinema e pelo Natal Luz, à cidade apresenta intensa programação pascal. O frio dá o tom acolhedor da região, por lá pode-se tomar cafés coloniais, caminhar pelas ruas que nessa época do ano recebem decorações de páscoa, entrar nas lojas de chocolates artesanais espalhadas pela cidade, e ainda apreciar os pontos turísticos e as paisagens naturais. O evento Gramado de Aleluia e o Festival de Chocolates acontecem na cidade nesse período. Gramado em si já um evento, a cidade não possui semáforo e os motoristas respeitam a faixa de pedestre. As ruas são lindas com canteiros floridos e a arquitetura de toda cidade possui o estilo bávaro. Colonizada por Italianos e Alemães, sua gastronomia é toda requintada com apelos europeus. A cidade faz parte do corredor turístico da região das Hortênsias, flor encontrada em qualquer lugar da cidade que também é o símbolo de lá, esta é caracterizada pela ordem e beleza, que os moradores estão determinados a manter para os turistas que viajam à cidade a fim de desfrutar da tranquilidade do lugar. Caminhar nas ruas e admirar a arquitetura, a paisagem, as flores, já é uma diversão única. Logo pode-se ir até rua coberta onde têm diversos restaurantes e locais para se tomar café e degustar os chocolates. Se quiser mais aventura, é interessante visitar o Vale do Quilombo que é preenchido com floresta araucária nativa, é o lugar para o qual você pode fazer visitas guiadas, camping e caminhadas, o Parque do Caracol, é demais, e você pode ver em toda a sua majestade a cascata de mesmo nome. *Imagens de Ana Paula Petinati/Ricardo Junior *Imagem destaque: Rafael Cavalli

    Leia Mais

  • A estreia de Cleo no cinema – Benjamim

    Assim, contada parece simples, mas o enredo baseado na obra de Chico Buarque e direção de Monique Gardenberg vai além. Em Benjamim (2004), filme de estreia da Cleo no cinema, ela vive Castana e Ariel, duas personagens distintas que mexem como mesmo homem, Benjamim, vivido pelo veterano Paulo José. O romance com estilo único, direção de arte forte e encenação marcante revelou Cleo como atriz. Desde que fora questionada sobre a profissão muita coisa mudou. Em 2004 lançamento do filme ela nem pensava em ser atriz, tinha ainda anseios de ser marceneira. Mas um encontro inusitado na fila do banheiro a lançou dentro da profissão, dessa coisa chamada cinema. Cleo afirma que só sentiu a vontade de seguir a carreira após ver o filme pronto. Reprodução da Internet“Cara, esta história é louca. Eu estava em uma festa, louca para fazer xixi. Pedi para uma mulher que estava na fila do banheiro para passar na frente dela. E foi aí que tudo começou”, conta em entrevistas da época do lançamento do filme. A mulher do banheiro era a Monique Gardenberg, diretora de clipes e do filme Jenipapo e que estava trabalhando na adaptação do livro de Chico. “Ela disse que tinha o pressentimento infalível de que eu era a pessoa ideal”. Reprodução da InternetNa época a diversão vinha da novidade, da incertude do processo do ator, cada cena uma diversão. “Ficava pensando como devia ser legal você viver uma realidade completamente diferente da sua. Aí acaba a cena, pronto. Você volta a ser você mesma.” Mas não parava por aí, contracenar com Paulo José e o autor da obra que deu origem a filme, Chico Buarque, foi um encontro intenso e incrível para uma atriz em seu primeiro personagem, já sendo protagonista e de certa forma, duas vezes. Paulo José em entrevistas afirmou ter percebido algumas qualidades próprias dos atores que nascem prontos ao contracenar com Cleo, falando da espontaneidade, execução de ações físicas e muito mais. “Tem também essa outra qualidade, inexplicável, que não se aprende no colégio nem está nos manuais – a empatia, a fotogenia, que fazem dela um animal cinematográfico, um olhar que rasga a tela e paira sobre toda a platéia.” Benjamim circulou por diversos festivais nacionais e internacionais e Cleo recebeu o prêmio de melhor atriz no Festival do Rio. Um ótimo início de carreira pra quem nem trazia a ideia consigo.

    Leia Mais

  • KEEP LIGHT + CLEO LANÇAM KIT ESPECIAL PARA QUEM SOFRE COM A TPM

    Com o grande sucesso de suas linhas de pratos prontos, que permitem uma alimentação balanceada e saudável de forma prática e muito saborosa, a Keep Light, desenvolveu outro programa para Cleo: Keep Cleo TPM. O programa de 3 dias é composto por 6 refeições diárias, com baixo teor de sódio, que evitam a retenção de líquidos. Todos sabem que as alterações hormonais decorrentes do período prémenstrual podem afetar significativamente o humor, a sensibilidade e algumas funções fisiológicas da mulher. A alimentação balanceada é uma forte aliada nesse período e por isso a Keep Light escolheu alimentos que amenizam o desconforto: Vitamina C – ajudam o corpo a ter mais eficiência no combate ao estresse, melhorando o sono e a ansiedade. Fibras – auxiliam o trânsito intestinal, aliviando a constipação e, consequentemente, melhorando o humor. Vitamina B6 – essencial para a síntese de serotonina e dopamina, que proporcionam bem-estar e diminuem a fadiga e a vontade por doces. E em todos os dias, o cardápio traz ainda uma porção de doce à base de chocolate, que possui efeito estimulante, além de melhorar o humor e auxiliar no combate ao estresse. O programa está à venda no site www.keeplight.com.br. Adquira agora! Acesse o site e aproveite. EU QUERO Sobre a Keep Light Dirigida pelas empresárias Betina Sehbe e Christiane Jimenez, a Keep Light está no mercado desde 2003. A empresa desenvolve programas alimentares personalizados, com refeições saudáveis e congeladas para quem busca praticidade, aliando o sabor caseiro à produção industrial, sem abrir mão de preparações elaboradas. Reúne em seu cardápio apenas insumos de qualidade, submetidos aos cuidados de uma cozinha artesanal, amparada por técnicas modernas de produção. Além disso, todos os produtos são rigorosamente controlados, principalmente a quantidade de calorias e demais itens nutricionais. A Keep Light oferece uma extensa linha de produtos e várias opções de programas. O cardápio é supervisionado por nutricionistas e renovado periodicamente por Betina, responsável pela criação dos pratos. O consumo regular dos menus proporciona a possível perda de peso, sem a diminuição da qualidade nutricional e do sabor. “Buscamos na tecnologia procedimentos que garantam produtividade com a qualidade e sabor”, explica Betina Sehbe – sócia diretora da Keep Light. Contato Keep Light (11) 5042.9636www.keeplight.com.br

    Leia Mais

  • Projeto social para crianças do Rio – A Arte Salva

    O aumento na produção mundial de lixo tem crescido muito e preocupado especialistas pelo alto número de resíduos despejados na natureza. Reciclar é um bom caminho, entretanto, nem todos os locais tem coleta seletiva. E nem todas as pessoas separam os resíduos. Os lixões a céu aberto ainda existem e deles  é retirada a subsistência de muitas famílias e crianças. Com o intuito de modificar a vida desses jovens o Projeto A Arte Salva busca por meio do lúdico, da pintura, levar até eles esperança e possibilidades de mudança social. Algumas novelas já retrataram a realidade nessas áreas, como o caso de Avenida Brasil em reprise recente na Rede Globo. Um dos núcleos se passavam no antigo maior lixão da América Latina, de Gramacho em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro. Nas cenas eram vistas crianças catando lixo para ajudar a família com a venda de plásticos, metais e semelhantes, ou até mesmo na busca por comida e roupas. A ficção mostrando a realidade vivida pelas crianças da comunidade do entorno. Imagem: Acervo Projeto A Arte Salva  Em julho de 2015 o projeto iniciou formalmente, no entanto, a criação data de 2012 quando a coordenadora Karina Duartte conheceu Brayan. Ela acompanhou o desenvolvimento do menino, morador do Jardim Gramacho, até o dia em que ele e a família ganharam uma casa.  Brayan pintou suas mãos na parte de fora de casa. Ao ser chamado de artista pela nova amiga, pediu mais tintas para criar. Dessa relação lúdica surgiu a ideia de levar para as demais crianças a possibilidade de crescimento pessoal. Ao todo já foram realizados pelo projeto nove aulas de arte, com aproximadamente 500 telas pintadas, 70 colecionadores e mais de 160 participantes. O apoio às crianças da favela 4 Rodas vai evoluindo, junto da oficina são doados agasalhos, livros, materiais escolares, além da contínua formação de colaboradores para ampliar a linha de troca e apoio às crianças do local. “É uma luta diária  incentivar as pessoas a se tornarem voluntárias. É essencial que os cidadãos se conscientizem da importância do trabalho voluntário. Muitas pessoas desconhecem outras realidades e problemas. Precisamos de todas as formas de doações.  Vibramos verdadeiramente quando, além do apoio material, também vem a presença física. O sorriso, o abraço fazem toda diferença na vida das nossas crianças. Quem se disponibiliza a participar das nossas ações pela primeira vez, sempre quer voltar. É um amor renovador e transformador”, completa Karina. Imagem: Acervo Projeto A Arte SalvaComo fazer parte: Toda pessoa pode participar entrando em contato pelo e-mail [email protected]. Para ajudar pode-se fazer uma doação de qualquer valor por meio da vakinha online. E adquirindo o Kit Distribuindo Sorrisos que contém um quadro pintado com todo amor pelas crianças + 1 camiseta do projeto. O kit custa R$100,00 Informações pelo e-mail: [email protected]. Diversos artistas apoiam e incentivam o Arte Salva: Mariana Ximenes, Rafael Cardoso, Carla Salle e Hélio de La Peña, Sergio Penna e o Rapper e ativista social Mv Bill.

    Leia Mais

  • O impacto das imagens de Otto Stupakoff

    Passear pelas instalações do IMS – Instituto Moreira Salles é sempre interessante, seja para tomar um café, apreciar o espaço repleto de nuances ou curtir as exposições e imagens impressionantes. Em meio a reunião de trabalho e bate papo Cleo passou pela exposição de Otto Stupakoff, um dos fotógrafos brasileiros de maior projeção internacional. O paulistano teve sua obra completa adquirida pelo IMS em 2008. O fotógrafo passou a maior parte da carreira em Nova York e Paris, sendo reconhecido como fotógrafo de moda e retratista de celebridades internacionais da área das artes e da política, produzidas para revistas como Bazaar, Life, Esquire, Glamour, Look e Vogue. Além delas Otto produziu imagens menos conhecidas, como nus, retratos de pessoas desconhecidas, instantâneos de rua, fotografias de viagens e experimentações abstracionistas. Os retratos deixados pelo fotógrafo são de personalidades internacionais como Richard Nixon, Yves Saint-Laurent, Coco Chanel, Grace Kelly e sua filha Stéphanie, Jack Nicholson, Robert Redford, Bette Davis, Sharon Tate, Sophia Loren, Truman Capote, Harold Pinter, Tom Stoppard e Michael Jordan. E as celebridades brasileiras, Pelé, Jorge Amado, Pierre Verger, Tom Jobim, Heitor dos Prazeres, Dorival Caymmi e Xuxa. O fotógrafo por trás da câmera Começou a fotografar na infância, com uma câmera que ganhou de presente do pai em 1943. Interessado em cinema, chegou a dirigir quando adolescente um curta-metragem em 8 mm. Aos 17 anos, ingressou na Art Center School, hoje Art Center College of Design, em Los Angeles, Califórnia, onde estudou de 1953 a 1955. Descontraído e comunicativo, ficou amigo de Carmen Miranda e visitou na pequena cidade californiana de Carmel o fotógrafo Edward Weston, nome lendário da fotografia americana. Retornou ao Brasil e projetou seu estudo na capital gaúcha, Porto Alegre, onde vivia seu pai. Fotografou e ao mostrar as imagens a Oscar Niemeyer foi convidado pelo arquiteto para que documentasse suas obras em Minas Gerais e, mais tarde, em Brasília. O primeiro estúdio de Stupakoff deixava claras suas intenções profissionais: era voltado para a fotografia em preto e branco de grande formato, estilo cultivado pelos grandes nomes da fotografia americana dos anos 1930 e 1940. Otto Stupakoff Reprodução da InternetEm 1956, morando no Rio de Janeiro, ele fez seus primeiros trabalhos para agências de publicidade e para a gravadora Odeon. De volta a São Paulo no ano seguinte, deu prosseguimento à sua carreira em publicidade, ensaiou os primeiros passos no mundo da fotografia de moda para a revista Claudia, da editora Abril, e manteve um relacionamento intenso com a cena artística local, principalmente com seu amigo Wesley Duke Lee. Em 1965, trocou São Paulo por Nova York e conseguiu imediatamente um contrato para trabalhar na Harper’s Bazaar. Transferiu-se para Paris em 1973 onde fotografou para a Vogue francesa, Elle, Marie Claire e Stern, entre outras publicações. De volta ao Brasil, em 1977, decepcionou-se com a relutância de revistas e agências de publicidade em lhe encomendar trabalhos, o que o levou a radicar-se mais uma vez em Nova York a partir de 1981 e só retornar definitivamente a São Paulo em 2005, quando foi homenageado com a mostra Moda sem fronteiras, realizada durante o evento de moda São Paulo Fashion Week. Exposição Otto Stupakoff: beleza e inquietude Curadoria: Bob Wolfenson e Sergio Burgi,Local: Instituto Moreira Salles – Rua Marquês de São Vicente, 476 – Gávea (RJ)Data: de terça a domingo – até 16 de abrilHorário: das 11h às 22hEntrada Gratuita.

    Leia Mais

  • Inspiração Divertida

    Inspirar as pessoas é muito legal, seja por meio de atitudes responsáveis, seja por meio de causas sociais ou ainda com o estilo de se vestir. O jeito de se vestir faz com que muitas pessoas se inspirem e procurem montar looks iguais ou semelhantes. E quando isso vai além a diversão é garantida. Inspirar e ainda dar risadas é demais. Cássio Regal, nas suas redes sociais usa a fotos da Cleo para realizar reproduções inusitadas e divertidas. Seja um look, um pose, uma detalhe, as imagens são hilárias. Confere aí. Nessa imagem divertida inspirada na expressão idiomática “engolir sapos”, ele refez com uma lagartixa. Como seria, engolir lagartixas? O lado sexy da Cleo aparece com um ar divertido na reprodução da foto com os adesivos nos seios. Como se não bastasse uma só, olha a inspiração pra essa outra aí? Hilário né? Não tem como não se divertir. Olha só essa foto inspirada na foto da Cleo com o Crânio. Demais. Pensem naquele Close de fim de novela? Onde fica no ar o rosto do ator no momento ápice do personagem. Nesse recorte feito, ele reproduz o take de Cleo e refaz o carão. Reproduções divertidas, memes e inspirações alegres são sempre gostosas de serem vistas nas redes sociais. Ainda tem mais fotos divertidas como essas. Se quiser ver mais looks e se inspirar acesse no site a categoria de estilo, veja looks do dia a dia, festas e eventos e divirta-se.

    Leia Mais

  • Make up

    Maquiagem hoje em dia é pra toda hora e qualquer momento, o que muda é a pegada, mais leve, natural ou mesmo mais carregada para ocasiões especiais. Cleo geralmente opta por uma make mais básica, natural, que ressalte os pontos fortes e suavize detalhes. Ao sair de casa num dia qualquer, de trabalho, exercícios e outros compromissos, sempre rola passar um protetor solar, um pó com cor e também proteção UVA. Nos dias de eventos e festas a make começa com a preparação da pele, logo um blush suave marcando a maçã do rosto. Nos olhos uma máscara de cílios, lápis preto ou marrom; Uma sombra em tons terrosos para marcar o côncavo dos olhos. Nas sobrancelhas o truque para dar aquela realçada é passar um lápis comum, de escrever, além de pentear com um pincel próprio para a função. Relembre a make da Cleo pro lançamento do site. O batom, geralmente com tom neutro, cor de boca, às vezes puxando para o vermelho ou rosa, dependendo do dia um batom vermelho mais aberto. Batons matte também são muito usados nas suas maquiagens. Pra finalizar um lápis pra fazer o contorno da boca. Cleo curte se maquiar, mas devido a correria nem sempre isso é possível, Carol Almeida Prada, muitas vezes fica com essa tarefa. Maquiar a Cleo e fácil, ela tem uma pele boa e bem cuidada, ela é muito delicada e sabe o que quer. “O que não pode faltar na maquiagem da Cleo é base com filtro solar e máscara para cílios a prova d’agua. O pulo do gato é uma gota gloss nas pálpebras móveis pra dar um ar sexy com uma textura luminosa. Temos usado muito a cartela dos beges e nudes, cores essas que são imortais na maquiagem”, Carol Almeida Prada.

    Leia Mais

  • Cegas em ação

    Pequenas atitudes são um grande gesto. Duas meninas cegas criaram um canal no Youtube pra falar de coisas de meninas, coisas gerais e também mostrar como encaram a cegueira. No canal Cegas em Ação, Lorena Spoladore e Gabriela Vieira falam de muitos assuntos, e principalmente sobre a cegueira, como lidam com ela e como as pessoas lidam com elas por serem cegas. Lorena é atleta paralímpica e perdeu a visão gradativamente desde os primeiros dias de vida em consequência de um glaucoma congênito. A família de Lorena mudou-se para Goiânia em busca de tratamento, mas aos 4 anos ela já tinha 95% da vista comprometida. No Rio 2016, subiu ao pódio duas vezes: um bronze no salto em distância e uma prata no revezamento 4x100m livre T11-13 ao lado de Terezinha Guilhermina, Thalita Simplício e Alice Correia. Agora o mais novo desafio para a paratleta e Gabriela é mostrar para as pessoas sem deficiência e com deficiência como levar a vida de forma mais alegre, mostrando o ponto de vista delas em temas polêmicos com o primeiro vídeo do canal onde conversam sobre como é serem chamadas de cegas, ou ainda noutro vídeo em que falam sobre sentimento de pena e felicidade. Ter um canal para tratar de temas assim, com representatividade é atitude pura. Que tal aprender um pouco mais com a meninas? Vídeo do Canal

    Leia Mais

  • Meu Look Casual

    Meu Look Casual Um dia astral e solar no Instituto Moreira Salles Publicado em 03/04/2017 Depois de meses de gravação de Terapia do Medo em São Paulo, o reencontro com o Rio. Os dias mais amenos de outono e o clima que oscila entre calor, momentos de vento e temperatura mais baixa pedem um look leve, mas com uma proteção pra quando dá aquela refrescada. A escolha de tons claros, solares, que mesclam bege, verde, marrom e texturas são ótima pedida pra meia estação. Conforto e descontração trazem a leveza, a escolha de uma calça mais larga de tecido leve, como o linho, combinado com regata e sapatilha ficam ótimos. A camisa, também de tecido leve, além de dar charme ao look protege e aquece na medida certa. O óculos preto, o cinto e a sapatilha pontuam o look, conferindo estilo na medida exata. Ah e não dá pra esquecer é claro, do Strappy Bra (aquele top ou sutiã que fica com as alças aparentes) deixando a sensualidade transparecer no alto astral de um dia de sol no outono. NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • Como se perder em…

    Com as temperaturas mais amenas, um pouco mais de vento e dias mais tranquilo chega o outono. Dias mais tranquilos? Oi? Nada disso, mesmo com o término do verão ainda há muita coisa pra se fazer pra se divertir. Você já parou para perceber o quanto é bonito o Rio de Janeiro quando visto de cinema? Pensando nisso selecionamos cinco lugares onde perder-se com uma visão única e deslumbrante do Rio é a ordem. 1-Corcovado: Ponto turístico reconhecido mundialmente, simbólico, morada do Cristo Redentor. Apreciado por todos, nativos e turistas, propicia uma das vistas mais lindas da cidade num ângulo de 360 graus. Reprodução da Internet2-Pão de açúcar: Não tão alto quanto o Corcovado oferece o diferencial de poder ver a cidade em dois estágios, no primeiro e no segundo monte. De lá se pode ver parte de Niterói, Botafogo, Copacabana e Flamengo. Reprodução da Internet3-Estrada das Canoas: Essa estrada linda por entre a floresta possui tesouros escondidos como os diversos pontos onde se pode admirar a cidade e diversos bairros. Tire um tempo para curtir o trajeto e a paisagem junto da mata. Que tal um piquenique? Reprodução da Internet4-Morro Dois Irmãos: Localizado no morro do Vidigal, próximo ao Leblon, chegar até o topo tem de passar por uma trilha de nível médio, existem guias especializados para levar até o local. De lá é possível ver a zona sul, a lagoa Rodrigo de Freitas e ainda parte de São Conrado. Reprodução da Internet5-Pedra da Gávea e Pedra Bonita: Situado em São Conrado o famoso pico tem trilhas que levam muitas pessoas a conhecerem e desbravar o local. De lá do alto é possível ver diversas regiões da zona sul. Próximo a ele fica a Pedra Bonita, local que serve de ponto de partida de vôos de asa delta e paraglaider. Reprodução da Internet

    Leia Mais

  • Suspense Psicológico

    O cinema nacional tem investido em novas vertentes e histórias, em Terapia do Medo, Cleo protagoniza ao lado de Ségio Guizé um thriller psicológico. Com direção de Roberto Moreira o filme conta a história de uma campeã de vôlei de praia que passa por experiências assustadoras e acaba por receber ajuda de um médico. A partir daí dá pra imaginar o que vem, medo, muito medo. Segundo o produtor e co-roteirista do longa, Luciano Patrick, no site da produtora Globo Filmes, o longa é muito mais de medo do que susto, e ainda cita as influências de filmes americanos como “O Exorcista” (1973), “O Chamado” (1998), “Horror em Amityville” (1979), “O Iluminado” (1980), “Poltergeist” (1982). Já dá pra imaginar o que vem por aí. Para se preparar pro filme Cleo teve intensos treinos de vôlei e preparação física redobrada. Já tinha experiência com vôlei dos tempos da escola, mas dessa vez teve que pegar pesado para dar vida há irmãs gêmeas. Fernanda e Clara, segundo Cleo, são normais como qualquer pessoa. As duas formam uma dupla de jogadoras de vôlei, no entanto algo acontece e elas perdem a sincronicidade que existia, a conexão. “A preparação pra mim é pra despertar os sentidos, se preparar emocionalmente e fisicamente e estar com a intenção direcionado para aquele universo, até você ter o insight da coisa pra depois organizar de forma mais objetiva”, diz Cleo. Diz ter se apaixonado pela história devido a trama remeter a temas os quais já leu, como física quântica, ciência, espiritismo, e que de forma geral se relacionam com a energia. Tudo é energia pra Cleo. As gravações aconteceram em São Paulo e Ilha Bela. Só no resta esperar o lançamento e as surpresas que Terapia do Medo ainda reservam.

    Leia Mais

  • Krav Maga

    Krav Maga foi trazido ao Brasil pelo Mestre Kobi Lichtentein, em 1990, o israelense escolheu o Brasil para propagar o legado de Imi Lichtenfeld, criador do Krav Maga, mais precisamente o Rio de Janeiro. Fundando a Associação Brasileira de Krav Maga, posteriormente a FSAKM – Federação Sul Americana de Krav Maga, hoje é a maior do mundo. A fundação está presente em 18 estados do Brasil: Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerias, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo. Em 68 cidades, além do México e Argentina. O maior número de praticantes estimasse estar entre Rio de Janeiro e São Paulo, seguido por Minas Gerais. Fonte: Reprodução da InternetO que é ensinado no Krav Maga é a auto defesa. Todos que tem interesse de aprender a se defender de maneira simples, rápida e objetiva pode praticar. É a única modalidade reconhecida mundialmente como 100% defesa pessoal, não existem campeonatos dentro do universo do KM, não é isso que rege, o cidadão de bem aprende a defender seu maior patrimônio, vida e integridade física. Com relação ao público feminino o que posso afirmar de vivência com minhas alunas é que melhora muito a auto confiança, sua percepção de poder prover a própria segurança, você percebe nelas a confiança que a muito tinham perdido, diz o instrutor e palestrante Daniel Dellias. “30% dos nossos alunos são mulheres, é muitas dessas passaram por situações de agressão ou intimidação. Estima-se que das praticantes uns 35% que está em aula é porque sofreu algum tipo de agressão, seja física, verbal ou psicológica”, comenta o instrutor. Para Nivea Farinazzo, de Juiz de Fora (MG), o Seminário de Defesa Pessoal, proporcionado pela FSAKM, foi uma oportunidade incrível de conscientizar mulheres sobre a força e capacidade de tomar decisões que podem salvar suas vidas. Descobrir uma força não imaginada, e que se pode assumir uma postura segura diante de situações de risco, independente de idade, forma física. Reprodução da Internet“Tenho certeza que o propósito de resgatar ou reforçar a nossa autoconfiança foi alcançado! Acredito que assim como eu, muitas mulheres se sentem mais preparadas para agir com eficácia ao se depararem com um possível agressor, sendo capazes de se defenderem, e impedirem o início de uma agressão, e até mesmo de ocorrências mais graves”. Sabemos que a violência não será erradicada, e que não estamos livres de passar por momentos assim. Contudo, acreditar mais no seu potencial de defesa e de conduzir uma situação de ameaça de forma mais efetiva, e assim ganhar tempo e poder procurar ajuda, pontua Nivea. Janaina Rezende ressalta que o seminário e o treino fez vir à cabeça a pergunta – como não pensei nisso antes? Relativo aos passos que são ensinados, onde coisas simples podem ajudar na defesa, e que muitas vezes não pensamos no dia a dia. Essa percepção muda o comportamento porque você passa a ter chance contra alguém que venha te fazer algum mal, ressalta. “Ensinamos o respeito acima de qualquer coisa, aluno agressivo não se exclui, ensina-o a direcionar essa agressividade para o momento que ela se faz necessário”. Aluno irresponsável e que usa a técnica de maneira errada, que não se enquadra na metodologia e filosofia será desligado da FSAKM. Tomamos muito cuidado com tudo que é ensinado, somos nós instrutores/ educadores, sendo assim exemplo para todos alunos. Conhecemos cada um e sempre colocamos isso em aula, uso indevido será desligado. Cuidado com o próximo em treinos já desperta isso em cada um, o auto controle, afirma Daniel. Reprodução da InternetPara saber mais sobre o Krav Maga o site www.kravmaga.com.br da Federação é o mais indicado, pois ela detém o controle da marca e é a única a capacitar instrutores. Cuidado com o conteúdo dado em aula, e a qualidade de como é ensinado. Para se tornar um instrutor Os instrutores tem que ter no mínimo 5 anos de treino, graduação da faixa Verde, curso básico em anatomia, fisiologia, primeiros socorros, marketing, nutrição e filosofia das artes marciais. Tudo diplomado. Depois é feito teste físico, parte técnica do Krav Maga, combate, natação, por fim é feito teste psicotécnico, sendo aprovado estará apto a ingressar na turma de formação de instrutores da FSAKM. Passará por 400 horas com Mestre Kobi, Mestre Márcio e Mestre Claudio, ao final há ainda entrega de uma monografia. Mestre Kobi é o presidente da Federação e tbm a maior autoridade no assunto, faixa preta 8ºdan. Hoje, Grão Mestre Kobi Lichtenstein.

    Leia Mais

  • Veludo molhado

    Veludo molhado Ele marca seu espaço no look das mais antenados Publicado em 25/03/2017 Eis que chega o outono para acalmar os ânimos dos que não gostam do calor demasiado do verão. Junto dele o frio também se aproxima, temperaturas mais amenas proporcionam mudanças no guarda-roupa. Cada estação tem uma pegada diferente, por mais que reaproveitemos peças em produções diferentes, existem coisas que são características. O que chega com tudo para esse outono/inverno é o veludo molhado. Por muito tempo ele ficou no ostracismo, como algo não muito fashion, mas tá de volta repaginado. Pode-se ver o tecido nobre em saias, casacos, vestidos, blusas e até mesmo bodys. Você já tem uma peça dele pra incrementar o visual? As cores ficam um tom mais escuras, terrosos, verdes e azuis continuam como tendência, que tal experimentar? Você pode usar um look total veludo, ou compor com outros tecidos. Pense sempre em texturas, mas como o veludo molhado tem seu brilho próprio é interessante pensar em combinações onde ele tenha o destaque, como um jeans com uma lavagem mais simples, uma saia com corte mais reto, numa tentativa de look mais sóbrio. Para os mais ousados dá pra por um mix de veludo molhado e jaqueta jeans, calças mais desgastadas e rasgadas, e até mesmo um vestido de veludo com uma camisa xadrez. O que interessa é entender seu corpo e ao compor o visual pensar na harmonia de cada peça. Então bora esperar o friozinho e experimentar! NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • Saia Masculina

    Homem usando saia é visto com alguma estranheza pelas ruas. Sair por aí vestindo essa peça de roupa ainda causa frisson. O fato é que roupa não tem gênero, são simplesmente peças de composição da nossa vestimenta, no entanto, socialmente acabamos conferindo gênero a elas, saia é coisa de menina e bermuda coisa de menino. Pois bem, foi-se o tempo. A onda agora é vestir-se como se sente bem, dispondo do que gosta, a moda agênero tá aí. Que tal experimentar? Atualmente aproximadamente 3/4 dos homens do mundo ainda usam saia, por mais que a maioria esteja localizada no oriente. Um fato interessante é que fazem pouco mais de 100 anos que as mulheres passaram a usar calças, com o surgimento das primeiras feministas e da necessidade da mulher entrar no mercado de trabalho. Marc Jacobs Foto: Sipa Press/Rex FeaturesO Stylist Nilo Caprioli tem estilo próprio e incorporou saia no seu vestuário faz um tempo, segundo ele lá pelos idos do ano 2000, a onda clubber fez com que quisesse usar saias. Talvez por alguma coisa política, ideologias, mas principalmente porque ficava muito bonito com coturno, ficava mais bonito usar saia do que bermuda. “Era muito mais estético do que político. Tinha o lance da ideologia, mas era muito mais por conta do visual mesmo. Na época eu era clubber”, afirma. Não acho um ato revolucionário, é uma peça de roupa super confortável, deixa um shape bonito quando você veste, pois abre o visual, é interessante. Mas exatamente revolucionário não, é uma vestimenta antiga masculina, diz Nilo. As saias recentes eu comprei pelo saudosismo dessa época clubber, tanto que comprei um kilt preto e um xadrez bem coloridão que tinha essa onda. Sobre o uso dar dicas de uso de saia pelos homens, Nilo ressalta que cada corpo é um corpo. Que deve-se preocupar com o formato do nosso corpo, entende-lo e valorizá-lo. Mas de qualquer forma a saia vai deixar seu corpo mais longo na parte de baixo, geralmente tem prega ou um leve evase. O legal é um parte de cima reta, uma camiseta, um camisa, nada muito justo, algo orgânico. Nilo CaprioliA dica é usar a saia sem parecer fantasia se você ia usar uma bermuda preta, põe uma saia preta, se ia por uma camisa xadrez, inverte o look, põe uma camisa lisa e uma sai xadrez. Usa como se fosse usar uma bermuda, não pensa num look para usar a saia. “Tipo se eu ia usar uma bermuda eu substituo pela saia, por que não? A saia e o homem Os homens usam saia desde tempo imemoriais, gladiadores usavam saias, sumérios cobriam as partes de baixo com tecido, gregos usavam togas, egípcios usavam saias com amarrações tipo sarongue. E nenhuma delas afixava falta de virilidade, ao contrário. Ainda hoje no oriente se vê homens e mulheres envoltos em túnicas, no sudoeste da Ásia, o sarogue, o dhoti, lungi e os pareôs na Polinésia. No Oriente Médio os Caftans e nos países africanos os djelabas. O kilt, criação celta, com sua padronagem xadrez ditava o clã a que pertencia a pessoa que o usava. Atualmente considerada uma vestimenta folclórica, com o passar dos anos foi revisitado pela moda e entrando um pouco mais na cultura ocidental. SarongueFoto: Reprodução da InternetAs saias pertencem historicamente à ambos os sexos, só as calças são uma questão de gênero, masculino e feminino, se é que isso importa. Na França em 2007, um grupo de homens se uniu e criou a associação “Hommes em Jupe”, na busca por direitos de uso de saias por homens, já que a peça tem signo, significado e símbolo na cultura. O Presidente de Associação, Mareau, afirma que buscam o direito de dispor plenamente do próprio corpo, assim como as mulheres o fizeram na utilização das calças. Foto: Reprodução da InternetDiscussões à parte, calças e saias, o importante é poder usar o que quiser para se vestir, hoje a moda está cada vez mais democrática e buscando conforto para quem usar as peças. Acaba-se falando em saia masculina por ainda não haverem muitas marcas que criam peças específicas para o público masculino, levando assim os mais antenados a garimpar peças do armário feminino. A produção de roupas agênero já trabalha essa questão, mas a produção ainda não é em grande escala e não atinge grande parte da população. O lance é experimentar, vista-se e divirta-se com isso.

    Leia Mais

  • O oculto e a arte

    Por que se tem renovado o interesse pelo ocultismo nos últimos 15 anos? Por que o tema é atual? O clima pós-apocalíptico associado à virada de milênio, diretamente ligado a eventos e a crise econômica e ecológica, criou um terreno fértil para abordar esses temas inexplicáveis, diretamente ligadas ao mistério, ao inconsciente e ao subconsciente. Esse fascínio pelo oculto e misterioso não é de hoje, no entanto ele vem e vai com o passar do tempo e se renova. Grandes figuras da história tem relação com o ocultismo na criação de suas obras, Goethe, Edgar Allan Poe, Balzac, René Magritte, Salvador Dalí, Alejandro Jodorowsky e os mais contemporâneos, Aldous Huxley, Led Zeppelin, Rolling Stones e David Bowie. Reprodução da InternetAs organizações míticas descritas em teorias da conspiração, como enormemente poderosas, com agenda a serem cumpridas para realização de seus objetivos infiltrados na sociedade de forma discreta, oculta. Sociedades secretas, assim chamados estes grupos onde as funcionalidades e funções são conhecidas somente pelos que participam. O que sugere que os envolvidos estão sob regras restritas e códigos secretos que visam preservar os segredos do grupo, muitas vezes visto pelos de fora como segredos ligados ao satanismo ou dominação mundial. As sociedades secretas mais conhecidas são a Maçonaria, a Máfia, a Cabala, Ku Klux Klan, Al-Qaeda, entre várias outras. De olhos Bem Fechados – Stanley KubrikA influência do ocultismo e das sociedades secretas nas artes é vista até hoje, diretores de cinema, cantores, produtores e escritores se valem desse universo misterioso para gerar grandes obras de cunho artístico e social. Filmes como “De olhos bem fechados”, Stanley Kubrik, “El Topo”, de Alejandro Jodorowsky estão entre os que se utilizam desse mote oculto para contar suas histórias. Na música Madonna, Dowie, Led Zeppelin, também dispõe do oculto para criação de canções memoráveis, o que mantém vivo o mito da Cultura Illuminati. Organização responsável por comandar a indústria cultural mundial, com conexões políticas e sociais ocultas, sombrias. Responsáveis por cumprir uma agenda de dominação sob certos aspectos. Capa do disco Alladin Sane – 1973Verdade ou não, o oculto, o mistério é necessário para a vida e para a arte, pois já dizia a canção – mistérios sempre há de pintar por aí. A cada momento surgem mais informações e ilusões sobre o que envolve essas sociedades. A arte agradece pelo material de criação e o público também, pelos filmes, livros e músicas inspiradores nos grandes mistérios da vida que movimentam a humanidade.

    Leia Mais

  • 7º Festival de Fotos de Tiradentes- Foto em Pauta

    A modernidade trouxe junto de si a reprodutibilidade técnica de imagens, sejam elas obras de arte ou imagem, as quais chamamos de fotografias. Ao longo dos anos diversos fotógrafos foram se destacando e modificando os padrões e técnicas fotográficas. O Festival de Fotografia de Tiradentes – Foto em Pauta chega à sua sétima edição. Entre os dias 22 e 26 de março, a cidade Campo das Vertentes terá de diversas exposições, workshops, palestras, debates, leituras de portfólio, projeções de fotografias e atividades educativas voltadas para a comunidade local. O Festival propõe aos participantes troca com grandes fotógrafos brasileiros e internacionais. Serão oferecidas oficinas em diversas áreas da produção fotográfica, e com grandes fotógrafos. Serão 20 artistas convidados, 15 palestras e 17 workshops. Os temas também são variados e para profissionais de todos os níveis. Valdemir Cunha, que foi editor de imagens de revistas Terra e Viagem & Turismo vai ministrar uma oficina sobre fotografia de viagem. O conteúdo contempla desde a escolha dos lugares, planejamento do roteiro até o estudo das técnicas de fotografia. Ilha dos LençóisFoto: Valdemir CunhaA fotografia documental, contemporânea, também tem destaque entre as opções de workshop. A portuguesa Ângela Berlinde vai a Tiradentes falar sobre As Poéticas Interdisciplinares – Uma Abordagem Contemporânea da Fotografia. O workshop de Mônica Maia, chamado Das mídias tradicionais para a galeria: novos caminhos da fotografia documental vai abordar a trajetória ao atual cenário da fotografia documental. “A programação do Festival transita entre a contemplação e a qualificação. As pessoas poderão participar de palestras, workshops e exposições temáticas, que ampliarão seus conhecimentos sobre os rumos da fotografia”, ressalta o curador do evento Eugênio Sávio. Para se inscrever e saber mais detalhes do 7° Festival de Fotografia de Tiradentes acesse o site do evento.

    Leia Mais

  • Reverberações

    Dá água doce chegam as boas notícias de 2017, alunos da escola básica de São Francisco (uma das zonas mais áridas e pobres de Cabo Verde) puderam beber água boa, tratada, por meio do projeto Água nas Escolas, o qual Cleo faz parte. Em janeiro 2016 ela esteve na cidade para implantar o projeto piloto de levar água potável a três escolas secundárias: Napoleão Fernandes (Santa Catarina de Santiago) e Alfredo da Cruz Silva em Santa Cruz e o Pólo do EBI do Lavadouro. Utilizando recursos próprios, ela retornou a Cabo Verde para cumprir uma promessa realizada em 2013, quando afirmou que ajudaria o local. A escola São Francisco não havia sido contemplada com a implantação de água potável no início do projeto, devido ao orçamento. No entanto, a realização foi possível por causa da diferença cambial e reajuste orçamentário com o empreiteiro das demais escolas. Foi economizado cerca de 5.000 USD que foram aplicados nesta solução mais barata, mas eficiente para esta escola que tem 250 crianças. Esta era uma das surpresas para Cleo, afirma Glória Ribeiro, Secretária Executiva. A inauguração deste bebedouro com quatro torneiras, abastecido por um depósito de 2 m3 de capacidade, com filtro de água acoplado e abastecido por caminhão cisterna, enquanto a rede municipal de água não chega até a escola, projeto que será iniciado em breve.

    Leia Mais

  • Lingeries à mostra

    Por: João Monteiro Por muito tempo a lingerie ficava escondida na hora de montar o look, mas a moda e suas reviravoltas trataram de pôr pra fora as lingeries rendadas, bodys e sutiãs. O detalhes trazidos pela underwear são uma suavidade e uma sensualidade que quando na medida certa deixam o look com um toque sexy sem mostrar demais. Dá pra usar de diversas formas, misturar rendas e tecidos fluidos, eles dão um mix lindo e leve, e pra mostrar aquele detalhe do sutiã vale abrir um pouco mais a camisa para deixar à mostra. Pra fazer um estilo mais descolado basta combinar uma peça mais pesada, um sapato mais forte, calça jeans ou uma jaqueta. Reprodução da InternetTudo é possível desde que não deixe o look com estilo vulgar, uma tendência mais leve é colocar uma terceira peça pra tornar a transparência mais discreta e sutil. Mostrar o sutiã sem querer, com regatas e blusas mega cavadas, ou por meio do decote dá o ar sexy sem querer. Se você for do tipo mais ousada e ligada em estilo pode usar sim o sutiã por cima de camiseta. Pode ser uma lingerie de renda sobre uma camiseta branca mais ajustada ao corpo. Que tal: você se anima? E não para por aí, continua contudo o retorno dos vestidos com cara de camisola, à la anos 90, de cetim ou tecido fluido, com ou sem rendas, ainda podem ser vistos por aí. Pensem em cetim, camisolas, silhueta lânguida e minimal. Muitas referências esportivas, assimetria, comprimentos mídi em shapes ajustados. Que tal ousar?! Reprodução da InternetReprodução da InternetReprodução da InternetReprodução da Internet 

    Leia Mais

  • Trend de inverno

    Trend de inverno Use saia sim, mas agora de couro! Publicado em 16/03/2017 A estação outono/inverno se aproxima e agora as produções ganham um novo olhar com as peças de couro. E claro, a saia de couro aparece com força total nos looks do momento. Minissaia Quem disse que não pode? As minissaias ficam ainda mais estilosas com propostas como camisas de manga longa, casacos oversized e coletes. Aposte nessa pegada e invista nas botas de cano curto com meias, é a nova eleita para os estilos mais fashionistas. Ah, a meia ¾ arrastão, é a aposta da temporada. Saia Mídi Clássica e elegante a saia mídi, além de deixar o shape alinhado e longilíneo garante conforto e torna-se uma peça curinga para qualquer ocasião. Seja com salto, tênis ou flat ela fica mais do que dinâmica para as apostas da vez. Saia com textura Babados, franjas e tachas são umas das escolhas para dar um destaque a mais no visual. Além do couro um diferencial a mais deixa o look ainda mais antenado. O foco principal em seu visual com propriedade. Inspire-se com as mais variadas possibilidades e garanta já um visual cool e antenado da temporada! *Imagem capa da matéria – Leo Franco NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais


TODOS OS BLOGS