Resultado de busca para : 




A primeira plataforma de Influenciadores Digitais de moda e lifestyle do mundo

TODOS OS POSTS

28 resultado(s) encontrados.
  • O que não pode faltar pra este carnaval

    Carnaval pode tudo, colorir, fantasias, purpurinar… Escolher as fantasias para curtir os blocos num calor de 40 graus é que o dá um dificultada, ou não, pode acabar ajudando a criar o modelitos mais diferentes e únicos. Seja pierrot, palhaço, colombina, seria, princesa, marinheiro, o que for, o toque especial fica por conta de cada um, desconstrua a fantasia, dê o seu toque, mas não esqueça do conforto pra encarar o bloco. Listamos 5 itens, que estão sueeper em alta nesse carnaval e alguns nunca saem de moda. 1- Maiôs e bodys Este é o carnaval do body, homens e mulheres tiram onda com seus corpos dentro dessa modelito. Pode ser de uma cor só, colorido, mega recortado, recatado ou super estiloso, os maiôs e bodys estão aí para compor looks especiais e diferentes, escolha um experimente. Reprodução da Internet2- Pochete Ela pode ser considerada cafona, ter ficado de fora das semanas de moda por anos, no entanto, entra ano e sai ano ela retorna pra cintura de geral, pois não há como curtir sem segurança e carregar as coisas junto de você numa pochete ajuda muito a curtir o carnaval mais tranquilo. Elas vem com formatos, cores e estilos repaginados nesta estação, acredite assuma a sua e corra pro bloco. Reprodução da Internet3- Tiara com adereços Meninos e meninas capricham nos seus adereços de cabeça para os blocos. Muitas vezes é só ele que diz que a pessoa tá no carnaval, dando aquele toque. Pode ser o que quiser, basta compor o seu ou comprar pronto. Pode ser com fruta, flores, conchas, penas, ou com coisas inusitadas. Reprodução da Internet4- Sapato confortável Eu sei, é carnaval e vamos falar de sapatos?! Vamos! É muito ruim você tá no meio da festa e o pé começar a incomodar, chato, e ninguém quer. O negócio é escolher o que fica mais confortável seja sandália, chinelo, sapato, tênis. Ponha o que deixa o pé tranquilo pra aguentar várias horas de blocos. Reprodução da Internet5- Pulseiras e Colares Voltando aos detalhes, um bom colar e pulseiras dão aquele toque. Se tiver de bermuda um adereço desses já traz você pra festa. As meninas costumam dar mais importância e combinar mais eles. Aproveitem tirem tudo que amam do armário e criem. Carnaval é pra isso extravasar, curtir, se divertir e danças, dançar muito. Reprodução da Internet

    Leia Mais

  • Libra é a musa das musas

    Doze musas representaram seus signos no Baile da Vogue 2017- Lady Zodiac, no Hotel Unique em São Paulo no último dia 16. Todas com sua personalidade única e estilo próprio levaram a beleza ao baile. A diversão se estendeu ainda após a festa com a Revista QUEM, que convidou os leitores a escolherem a melhor musa. Cleo foi a vencedora do certame com 10 mil votos, obtendo larga vantagem de Bruna Marquezine, do signo de Leão, com 4,1 mil votos. A brincadeira divertida movimentou os leitores e o fãs, chamados carinhosamente de “Squad”. Como o que que vale é a celebrar, é justo aplaudir todas a musas pelo empenho em representarem cada signo do Zodíaco sob sua perspectiva. Reprodução de internetFugir do óbvio e pesquisar uma representação para Libra foi a busca de Cleo e Dudu Bertholini. O signo de Libra tem como regente Vênus, e a inspiração da antiga princesa da Mesopotâmia, Ishtar, que foi ao encontro de seu amado no submundo, e a cada portão que passava deixava uma peça de roupa até terminar despida e ter por fim seu renascimento. Essa lenda inspirou a dança dos sete véus de Salomé. Com uma pegada forte e sexy, romântica e guerreira, Cleo trouxe o seu toque ao representar seu signo.

    Leia Mais

  • É Carnaval!!!

    POR: Carolina Souza O país fica em festa quando se trata do carnaval. Cores, figurinos elaborados, máscaras, penas e tudo que possamos imaginar de alegre e colorido se enquadram para o figurino perfeito. Na verdade, o melhor disso tudo é combinar descombinando. Pois, o que vale mesmo é festejar e às vezes a junção disso tudo sem nenhum pudor ganha mais destaque e diversão. Mas, você sabe a origem das fantasias, máscaras e afins? Se não, vai descobrir agora! Vem pro baile! Originalmente o Carnaval surgiu na Roma Antiga, ganhando grande destaque no mundo e principalmente no Brasil, onde trios elétricos, frevos, sambódromos e ruas são povoadas de uma imensidão fora do comum. As máscaras e vestidos longos e esvoaçantes eram a atração principal. Hoje as máscaras ganharam novo fôlego e claro, looks mais despojados e curtos por conta do nosso país tropical são os indispensáveis para curtir a folia com força total. Vamos curtir a folia com serpentinas, confetes e cores… Ah! Brilhar essa é a palavra!

    Leia Mais

  • Cleo

    Cleo Escolha a musa do Baile da Vogue 2017 Publicado em 17/02/2017 O Baile da Vogue, Lady Zodiac, de ontem no Hotel Unique em São Paulo recebeu inúmeros famosos na festa mais badalada de pré-carnaval. O tema, como o nome diz foram os 12 signos do zodíaco. Cleo foi uma das musas e representou seu signo, Libra. Considera uma libriana característica, Cleo investiu em look repleto de amarrações, inspirado no Shibari e principalmente na lenda Ishtar, princesa que parair ao encontro de seu amado desce até o submundo, passando por sete portões do inferno,onde em cada um deixara uma peça de roupa, um véu. Sendo vênus sua regente, Cleo em suas pesquisas, chegou até este mito. Com look criado por Dudu Bertholini a musa do zodíaco investiu no preto e em tons de cinza pra encarar mais este personagem. Segundo Dudu, o figurino tem uma pegada forte, mesmo que ela seja romântica, mas tem uma força uma coisa da guerreira. Não deixe de votar na nossa Musa de Libra – Cleo, como a melhor musa do Baile da Vogue 2017 Clique do detalhe do look da Cleo, as amarrações e adereços com correntes e metal deram o toque ao figurino. Reprodução de internetA sandália deixa de ser um acessório e se torna parte do todo pra compor a musa de Libra. Reprodução de internetE assista alguns vídeos da Cleo em sua participação no evento. NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • Lady Zodiac

    Doze signos, doze lindas mulheres representando cada elemento do zodíaco, este é o tema do Baile da Vogue 2017, Lady Zodiac, que acontece hoje à noite no Hotel Unique em São Paulo. Cada signo com suas características e nuances aparecem no zodíaco por meio de representações. Cleo é libriana e no baile representará seu signo. O look ficou a cargo de Dudu Bertholini. Os dois librianos se entenderam bem na criação do figurino. Há muito tempo Cleo queria uma criação exclusiva do Dudu com. Na ideia de caracterizar o signo sem cair no senso comum Cleo foi buscar na mitologia a inspiração para compor esse look, essa personagem do Zodíaco. A força, a ponderação e o romantismo desse signo podem ser vistos no look. No vídeo dos bastidores da prova do figurino Cleo e Dudu contam como foi criar pensar e criar esse look. Confere. Há registros de estudos astrológicos relacionando comportamento humano à posição dos astros celestes que datam do século VII a.C.. Observando supostas nuances comportamentais semelhantes em pessoas nascidas em determinada época, eles concluíram que eram doze épocas distintas e que elas se apresentavam de forma cíclica. Pegaram então a rota solar e relacionaram cada época com a constelação por onde o Sol estava passando durante ela. Os nomes das constelações batizaram os signos e elas têm origem mitológica. Confira o mapa astral da Cleo. No baile as musas representarão seu signo: Vanessa da Mata (Aquário), Claudia Leitte (Câncer), as tops Fernanda Motta e Ana Beatriz Barros (Gêmeos), as atrizes Giovanna Antonelli (Peixes), Mariana Ximenes (Touro), Bruna Marquezine (Leão), Cleo Pires (Libra), Taís Araújo (Sagitário) e Claudia Raia (Capricórnio), e a apresentadora Adriane Galisteu (Áries).

    Leia Mais

  • Alair Gomes

    Fotografar segue as regras do olhar delicado de quem capta o momento. A pulsão sexual, o erotismo e o masculino são captados nas fotos de Alair Santos, e estão expostas na Caixa Cultural no Rio de Janeiro até 18 de fevereiro, no centro da cidade. Erotismo vai de encontro ao voyeurismo de assistir o outro de forma sensual, com desejo, até mesmo como um fetiche. O corpo masculino jovem e belo pautou toda a obra fotográfica do artista carioca, realizada ao longo de 20 anos. O olhar do artista, de viés homoerótico, tornou-se complexo e original ao longo de sua produção. Estudioso da história da arte, da física e da filosofia, suas pesquisas o levaram a encontrar caminhos fecundos para inserir a fotografia dentro do campo da arte contemporânea, com destaque para as sequencias de imagens que ele elaborou inspirado em sinfonias e sonatinas e em altares religiosos, como nas composições em trípticos. Considerado um dos precursores da fotografia homoerótica no Brasil, Alair Gomes notabilizou-se a partir dos anos 1960 pelas fotografias que enfocam o corpo do homem belo e jovem, seguindo a tradição da história da arte, notadamente das esculturas greco-romanas. Com forte acento voyeurista, muitas de suas fotografias, realizadas entre 1960 e 1992, foram feitas a partir da janela e também no perímetro de seu apartamento na orla da praia de Ipanema, no Rio de Janeiro. Desde então, sua produção tem sido estudada por críticos brasileiros e estrangeiros, e vem ganhando espaço em livros, revistas, galerias e museus. Exposição Alair Gomes Percursos Caixa Cultural SP Foto: Eder ChiodettoA exposição esteve na Caixa Cultural São Paulo em 2015 e gerou recorde de visitantes, também traz série inédita de fotografias de atletas do surf, futebol, canoagem e natação no Rio de Janeiro, além da realizada na Praça da República, em 1969, na cidade de São Paulo. Caminhar pela mostra fotográfica e perceber as nuances que o olhar do fotógrafo propõe sobre o corpo masculino, vai além da simples erotização percebendo-se o apreço formal pela imagem e estética como linha de partida para criação das imagens.

    Leia Mais

  • Como se perder em… Carnaval

    Por: João Monteiro Tá chegando a hora de curtir a maior festa brasileira, o carnaval. Em todos os cantos do país a energia toma conta das ruas. São foliões de todos os lugares na mesma energia, a de curtir o que há de melhor nessa época. Tire sua fantasia do armário, ponha seu melhor sorriso e caia na gandaia, seja no Rio ou na Bahia, no Rio Grande do Sul ou em Minas Gerais, seja onde for, em fevereiro pra onde a gente olhar tá rolando carnaval e nada melhor que se perder por aí no ritmo de uma boa marchinha, muito samba e axé. Rio de Janeiro No Rio de Janeiro a cidade é puro samba, e ele já começa semanas antes do início oficial do carnaval. Desfiles das escolas de samba do grupo especial são a grande atração do carnaval carioca na Marquês de Sapucaí, com as escolas que ajudaram a popularizar o carnaval por meio da tradição que trazem consigo. O carnaval do Rio não é só o desfile das escolas de samba, existem também inúmeros blocos de carnaval espalhados pela cidade que arrastam muitos foliões para as ruas. Vale a pena curtir um carnaval no Rio. Reprodução da internetBahia A Bahia, terra do Axé music o carnaval também é arrebatador, pois atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu, como dizia a letra da música. Um dos carnavais mais famosos do planeta, arrasta multidões pelas ruas de Salvador. São muitos trios e muitas horas de folia, seja na pipoca ou dentro dos trios, com seus abadas, a Bahia é a terra da diversão. E lá também o carnaval começa bem antes. Reprodução da internetRecife Em Recife, Pernambuco, o maior bloco de carnaval do mundo está presente, o Galo da Madrugada, que se apresenta no sábado. Há atualmente o chamado Carnaval Multicultural, organizado pela prefeitura, que conta com disputas em diversas categorias de agremiações carnavalescas. Considerado como o carnaval mais democrático do mundo, onde os foliões não precisam pagar para brincar; é apenas ter vontade, alegria e muita disposição para se divertir nos dias de carnaval. Reprodução da internetOlinda O carnaval de Olinda até a atualidade é caracterizada por um dos carnavais mais folclóricos e populares do país. Os bonecos de Olinda, gigantes, em meio à multidão, chamam atenção pelas dezenas de blocos desfilando. A tradição dos bonecos gigantes, que começou em Belém do São Francisco, recebeu as ladeiras de Olinda no ano 1932, com o boneco do Homem da Meia Noite criado. Há também 500 grupos carnavalescos desfilando por ruas do Centro Histórico de Olinda; os clubes de frevos, maracatus, blocos, afoxés, troças e caboclinhos partem para ruas. Reprodução da internetRio Grande do Sul Em quem disse que no Rio Grande do Sul não existe carnaval? A cultura do carnaval está presente em todos os lugares do país, na cidade de Jaguarão, no extremo sul do país, há um carnaval que remete muito ao de Salvador e ao de Minas Gerais. A cidade histórica com pouco mais de 20 mil habitantes, recebe muitos foliões nessa época do ano. São mais de 15 trios elétricos que arrastam multidões pelas ruas da cidade, e como já é costume o carnaval começa mais cedo, ainda na quarta-feira. Reprodução da internetMinas Gerais Diamantina em Minas Gerais, e Ouro Preto, o carnaval é curtido por multidão, entre ruas estreitas cheias de antigos casarões, sem hora para terminar. Em 5 dias da festa, são 24 horas de festividade. Pelo dia, os blocos caricatos chamam atenção. E durante a noite, os grupos Bartucada e Bat Caverna direcionam a batucada. E tudo ocorre na Praça do Mercado Velho, com reunião de mais de 15 mil pessoas diariamente. Reprodução da internetSão Paulo Em São Paulo tem sim carnaval, muitos blocos e trios elétricos, mas o que mais se destaca no estado é São Luiz do Paraitinga, cidade pequena, com 10 mil habitantes, considerado o melhor Carnaval do estado, com muita animação. A festa iniciou popular e original, sendo tipicamente de rua onde apenas tocam marchinhas tradicionais. Reprodução da internetMuitas outras cidades do país tem festas divertidíssimas de carnaval, aqui a gente traçou um pequeno panorama do que tem de mais conhecido, como Rio de Janeiro, Bahia, Olinda e folias ainda mais distantes, mas também com muito charme e alegria como Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Escolha onde passar seu carnaval e se divirta com responsabilidade.  

    Leia Mais

  • Cleo + Keep Light

    Cleo + Keep Light Keep Cleo Pré - Carnaval Publicado em 13/02/2017 KEEP LIGHT + CLEO LANÇAM KIT ESPECIAL PARA PRÉ-CARNAVAL Cardápio de 7 dias que une praticidade e porções definidas, proporcionando perda de peso e bem-estar. Com o grande sucesso de suas linhas de pratos prontos, que permitem uma alimentação balanceada e saudável de forma prática e muito saborosa, a Keep Light, desenvolveu um programa pensando na Cleo e suas necessidades para se preparar para o carnaval: Keep Cleo Pré-Carnaval. O programa de 7 dias é composto por 6 refeições diárias, sendo o primeiro dia líquido e apresenta um lançamento Keep Light: Ginger Shot, uma bebida saudável que traz benefícios ao organismo, como o aumento da imunidade. O programa está à venda no site www.keeplight.com.br. Creme de Abóbora Detox Creme de Legumes Detox Filé de peixe à Siciliana Frango à Caçarola Frango Picante Salmão com espinafre Smoothie de Morango Suco mix com linhaça Tapioca com chia e queijos Adquira agora! Acesse o site e aproveite. Sobre a Keep Light Dirigida pelas empresárias Betina Sehbe e Christiane Jimenez, a Keep Light está no mercado desde 2003. A empresa desenvolve programas alimentares personalizados, com refeições saudáveis e congeladas para quem busca praticidade, aliando o sabor caseiro à produção industrial, sem abrir mão de preparações elaboradas. Reúne em seu cardápio apenas insumos de qualidade, submetidos aos cuidados de uma cozinha artesanal, amparada por técnicas modernas de produção. Além disso, todos os produtos são rigorosamente controlados, principalmente a quantidade de calorias e demais itens nutricionais. A Keep Light oferece uma extensa linha de produtos e várias opções de programas. O cardápio é supervisionado por nutricionistas e renovado periodicamente por Betina, responsável pela criação dos pratos. O consumo regular dos menus proporciona a possível perda de peso, sem a diminuição da qualidade nutricional e do sabor. “Buscamos na tecnologia procedimentos que garantam produtividade com a qualidade e sabor”, explica Betina Sehbe – sócia diretora da Keep Light. Contato Keep Light (11) 11 5042.9636www.keeplight.com.br NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • Purpurine-se

    Ela tomou conta das ruas antes mesmo do carnaval chegar, a purpurina, o glitter, os brilhos, circulam por aí nas maquiagens e pelo corpo de muita gente. O ato de pôr purpurina no corpo é quase um ritual, as tribos se encontram nesse momento de embelezar-se. Assim como as tatuagens e pinturas corporais, o ritual de fazer brilhar o corpo é quase uma retribalização. Uma forma de unir as pessoas. O carnaval traz essa miscigenação de ideias e ideais, e a união vem daí, do brincar, da troca. Muitas vezes durante os blocos e festas é possível ver pessoas passando purpurina umas nas outras, trocando cores, incrementando o visual, e de certa forma, se conhecendo trocando energia. Pode ser um detalhe simples na maquiagem, ou algo mais incrementado, que tal por quase todo corpo? Também pode! Seja ela masculina ou feminina, pra purpurinar não tem gênero nem opção sexual, ela é totalmente libertária. Foto: Mad DameFeita de pedaços pequeno de plástico ela gruda no corpo, na hora de retirar há de se ter cuidado, pois muitos resíduos acabam indo com a água, para os oceanos. Como tudo tem dois lados, ou mais, a gente usa, abusa, brilha e rebrilha, mas não custa ter cuidado e até mesmo ver materiais alternativos que purpurinem do mesmo jeito. Uma dica ótima para substituir a purpurina e o glitter e mesmo assim brilhar são os pós brilhosos de confeiteiro, aqueles usados para decorar doces. Já pensou? Brilhar e de quebra o produto é algo que pode ser ingerido se problemas pelo organismo e ainda sustentável, sem prejudicar o meio ambiente. Esse tipo de pó pode ser encontrado em casas de festas. Glitter, purpurina, brilhinho, brilhão, brilhos, brilhosos, brilhantes, se divirta, brilhe, o carnaval tá aí!   *Imagem destaque do post – Artista de Aluguel, projeto artístico de Elisa Brasil. Reprodução da Internet

    Leia Mais

  • Corset

    Adepta do corset há mais de sete anos a Cleo aprova e indica, tanto para diminuir medidas quanto para manter a postura, e é claro deixar o visual ainda mais ousado e bonito. Você sabe o que é um corset e sua história? O corset como conhecemos hoje passou por inúmeras modificações, no entanto, teve seu ressurgimento, já que aparece na história ainda na grécia antiga, por meio das criações de Roxey Ann Caplin, escritora e inventora britânica apontada como a criadora do corset vitoriano, o mais próximo dos corsets que se usa hoje em dia. A peça sem alças e em formato de ampulheta, não em forma de cone como nas décadas anteriores, começa a ser difundido e amplamente utilizado na Europa. Os punks na década de 70 deram o toque subversivo a esse objeto, com histórico de underwear, por meio deles o corset começa a ser utilizado como uma peça externa. Se hoje o usamos como uma peça de estilo, devemos muito disso à subcultura punk. Ícones da moda como Christian Lacroix, Vivienne Westwood, Thierry Mugler, Jean Paul Gaultier incorporaram essa peça em suas coleções, tornando-a ícone fashion. São elaborados com tecidos muito resistentes, divididos em várias camadas e amarrados nas costas com espécies de barbantes, normalmente de alumínio ou aço. O corset é dividido em duas linhas, Tight Comfort, para uso diário, utilizada na prática de Tight Lacing, técnica para afinar a cintura, com desenhos básicos e visando o conforto e a leveza; Fashion, ideal para festas, focando na beleza da peça e na riqueza de detalhes do material. Existem também outras subcategorias do corset relativas a sua modelagem: Underbust – ficando abaixo do busto e contornando a região dos seios;Midbust – que fica na região do meio busto;Overbust – que cobre todo o busto;Overbust – bojo, que cobre o busto e tem a utilização de um bojo;Ribbon – parecido com o underbust, porém o contorno dos seios é reto;Waist Cincher – semelhante ao Ribbon, mas com barbantes na horizontal. Falar do corset sem citar a colaboração da Madonna para a disseminação do seu uso e libertação do estigma de opressor feminino nos anos 80 é impossível. Por meio da cantora a peça antes com status de opressora da sexualidade, passa a ser associado a imagem da mulher forte e sexy, agressiva. A cultura de massa assimilou a peça que hoje vai muito além de redução de medidas, correção postural, e objeto fashion, é um ícone de feminilidade que associa estilo, atitude e sensualidade. Reprodução da Internet

    Leia Mais

  • Dicas de Verão

    Encarar o verão de forma saudável é fácil se você tiver pequenas atitudes cotidianas que ajudam a se manter saudável na estação mais quente. Dra. Janaína Barbosa selecionou algumas dicas importantes para vivermos bem no verão. Proteção solar adequada, tomar muita água, comer alimentos leves e ricos em vitaminas, respeitar os horários de pegar sol, fazer exercícios, e principalmente respeitar seu corpo e o funcionamento dele, são primordiais para encarar o calor. Desidratações, queimaduras, algumas viroses e resfriados são recorrentes no verão, entretanto são fáceis de ser evitados se tomarmos atitudes de prevenção. Beba água filtrada e de qualidade confirmada, evite tomar sol sem proteção nos horários de pico que são das 10h às 16h, e tenha cuidado com ambientes resfriados, pois a troca brusca de temperatura gera rinites e resfriados. Dra. Jana dá dicas de como prevenir estas e outras mazelas do verão, assista ao vídeo e fique sabendo.

    Leia Mais

  • Cinema Brasileiro

    O cinema nacional passou por diversas fases até hoje, passando pelo cinema de comédia antigo, com Oscarito, Carmem Miranda, Grande Otelo; pela pornô chanchada, típico cinema brasileiro com lindas mulheres seminuas e roteiros pouco elaborados, priorizando as cenas de soft porn; pelo cinema novo, momento de rompimento, onde se inicia uma nova forma de fazer cinema no país, Terra em Transe de Glauber Rocha é um dos marcos dessa época de renovação e busca de identidade brasileira. A identidade nacional passa, em especial, pela representação artística e pelas narrativas que nestas estão inseridas. O Cinema é também instrumento de formação de identidade. Algumas obras cinematográficas buscam uma possível identidade nacional brasileira, cada vez mais perdida em meio a projeções pseudo-nacionalistas e conservadorismo entreguista. Muitos podem ficar e fora, mas separamos os 10 que achamos mais interessantes para pontuar essa busca. 1 – Deus e o Diabo na Terra do Sol Deus e o Diabo na Terra do SolReprodução da Internet Direção: Glauber Rocha Manuel (Geraldo Del Rey) é um vaqueiro que se revolta contra a exploração imposta pelo coronel Moraes (Mílton Roda) e acaba matando-o numa briga. Ele passa a ser perseguido por jagunços, o que faz com que fuja com sua esposa Rosa (Yoná Magalhães). O casal se junta aos seguidores do beato Sebastião (Lídio Silva), que promete o fim do sofrimento através do retorno a um catolicismo místico e ritual. Porém ao presenciar a morte de uma criança Rosa mata o beato. Simultaneamente Antônio das Mortes (Maurício do Valle), um matador de aluguel a serviço da Igreja Católica e dos latifundiários da região, extermina os seguidores do beato. 2 – Bye bye Brasil Bye Bye BrasilReprodução da InternetDireção: Cacá Diegues Salomé (Betty Faria), Lorde Cigano (José Wilker) e Andorinha são três artistas ambulantes que cruzam o país juntamente com a Caravana Rolidei, fazendo espetáculos para o setor mais humilde da população brasileira e que ainda não tem acesso à televisão. A eles se juntam o sanfoneiro Ciço (Fábio Junior) e sua esposa, Dasdô (Zaira Zambelli), com os quais a Caravana cruza a Amazônia até chegar a Brasília. 3 – Quanto Vale ou é por Quilo? Quanto Vale ou é por Quilo?Reprodução da InternetDireção: Sergio Bianchi Uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a atual exploração da miséria pelo marketing social, que forma uma solidariedade de fachada. No século XVII um capitão-do-mato captura um escrava fugitiva, que está grávida. Após entregá-la ao seu dono e receber sua recompensa, a escrava aborta o filho que espera. Nos dias atuais uma ONG implanta o projeto Informática na Periferia em uma comunidade carente. Arminda, que trabalha no projeto, descobre que os computadores comprados foram superfaturados e, por causa disto, precisa agora ser eliminada. Candinho, um jovem desempregado cuja esposa está grávida, torna-se matador de aluguel para conseguir dinheiro para sobreviver. 4 – Macunaíma MacunaímaReprodução da InternetDireção: Joaquim Pedro Andrade Macunaíma é um herói preguiçoso, safado e sem nenhum caráter. Ele nasceu na selva e de preto, virou branco. Depois de adulto, deixa o sertão em companhia dos irmãos. Macunaíma vive várias aventuras na cidade, conhecendo e amando guerrilheiras e prostitutas, enfrentando vilões milionários, policiais, personagens de todos os tipos. 5 – O Pagador de Promessas O Pagador de PromessasReprodução da InternetDireção: Anselmo Duarte Zé do Burro (Leonardo Villar) e sua mulher Rosa (Glória Menezes) vivem em uma pequena propriedade a 42 quilômetros de Salvador. Um dia, o burro de estimação de Zé é atingido por um raio e ele acaba indo a um terreiro de candomblé, onde faz uma promessa a Santa Bárbara para salvar o animal. Com o restabelecimento do bicho, Zé põe-se a cumprir a promessa e doa metade de seu sítio, para depois começar uma caminhada rumo a Salvador, carregando nas costas uma imensa cruz de madeira. Mas a via crucis de Zé ainda se torna mais angustiante ao ver sua mulher se engraçar com o cafetão (Geraldo Del Rey) e ao encontrar a resistência ferrenha do padre Olavo (Dionísio Azevedo) a negar-lhe a entrada em sua igreja, pela razão de Zé haver feito sua promessa em um terreiro de macumba. 6 – Os Deuses e os Mortos Os Deuses e os MortosReprodução da InternetDireção: Ruy Guerra Sul da Bahia, década de 30. Um homem sem nome e sem passado, sete vezes baleado, intromete-se na luta entre dois clãs de grandes coronéis pela posse da terra e do cacau. É uma luta de interesses econômicos, de produtores e exportadores. Nesse clima tropical dos cacauais e bananais, cresce uma corrida-do-ouro que atrai aventureiros, jagunços, sertanejos fugitivos do sertão, prostitutas, jogadores, circos e ilusões. Os mortos se mostram e se escondem. É uma cultura sanguinária, cruel, fascinante, de ouro, de homens, de deuses e de mortos. 7 – Aquarius AquariusReprodução da InternetDireção: Kleber Mendonça Filho Clara (Sonia Braga) tem 65 anos, é jornalista aposentada, viúva e mãe de três adultos. Ela mora em um apartamento localizado na Av. Boa Viagem, no Recife, onde criou seus filhos e viveu boa parte de sua vida. Interessada em construir um novo prédio no espaço, os responsáveis por uma construtora conseguiram adquirir quase todos os apartamentos do prédio, menos o dela. Por mais que tenha deixado bem claro que não pretende vendê-lo, Clara sofre todo tipo de assédio e ameaça para que mude de ideia. 8 – Orfeu do Carnaval Orfeu do Carnaval (ou Orfeu Negro)Reprodução da InternetDireção: Marcel Camus No Carnaval Orfeu (Breno Mello), condutor de bonde e sambista que morra no morro, se apaixona por Eurídice (Marpessa Dawn), uma jovem do interior que vem para o Rio de Janeiro fugindo de um estranho fantasiado de Morte (Ademar da Silva). Mas o amor de Orfeu por Eurídice irá despertar o ciúme de sua ex-noiva, Mira (Lourdes de Oliveira). 9 – Cidade de Deus Cidade de DeusReprodução da InternetDireção: Fernando Meirelles, Kátia Lund Buscapé (Alexandre Rodrigues) é um jovem pobre, negro e muito sensível, que cresce em um universo de muita violência. Buscapé vive na Cidade de Deus, favela carioca conhecida por ser um dos locais mais violentos da cidade. Amedrontado com a possibilidade de se tornar um bandido, Buscapé acaba sendo salvo de seu destino por causa de seu talento como fotógrafo, o qual permite que siga carreira na profissão. É através de seu olhar atrás da câmera que Buscapé analisa o dia-a-dia da favela onde vive, onde a violência aparenta ser infinita. 10 – Que Horas ela Volta Que Horas Ela Volta?Reprodução da InternetDireção: Anna Muylaert A pernambucana Val (Regina Casé) se mudou para São Paulo a fim de dar melhores condições de vida para sua filha Jéssica. Com muito receio, ela deixou a menina no interior de Pernambuco para ser babá de Fabinho, morando integralmente na casa de seus patrões. Treze anos depois, quando o menino (Michel Joelsas) vai prestar vestibular, Jéssica (Camila Márdila) lhe telefona, pedindo ajuda para ir à São Paulo, no intuito de prestar a mesma prova. Os chefes de Val recebem a menina de braços abertos, só que quando ela deixa de seguir certo protocolo, circulando livremente, como não deveria, a situação se complica.

    Leia Mais

  • Eyeliner Dots

    Moda, estilo, e comportamento, a cada hora uma novidade, e a novidade da vez nas Make Ups é o Eyeliner Dots, que são os pontinhos feitos com delineador em torno dos olhos pra complementar a maquiagem. Há quem ame e quem não goste muito, mas não custa experimentar. Para o verão nós já sabemos que vale a pena sair da zona de conforto usando os traços com novas cores e até com glitter (falaremos em breve no site para entrar no ritmo do carnaval), mas agora a novidade são os eyeliner dots. Inspirado na década dos anos 60 os pontinhos delicados são feitos ao redor dos olhos, na base dos cílios ou sobrancelhas com o delineador para dar um “up” no visual. O truque é fazer a maquigem normalmente, primeiro prepara a pele, logo fazer a Make que você curte, seja ela basicona ou mais Glam. Na sequência é só descontrair e experimentar, pondo somente um ponto abaixo dos olhos, bem próximo da linha do olho onde se passa delineador. E para as mais ousadas, ou ousados, os pontinhos podem ser maiores, ou coloridos ou até mesmo mais de um. Para facilitar faça com delineador líquido ou em gel e prefira os à prova d’água para não correr o risco de borrar a maquiagem. A maquiadora Carol Prada afirma que ainda não teve pedidos de clientes para fazer essa Make, mas que está esperando pra pôr em prática. “Eu amo os tais pontinhos, acho sexy e ao mesmo tempo delicado, entende? Eu ainda não tive nenhuma cliente que me pediu os Eyeliner Dots. Estou esperando, e já propondo para editoriais de moda e estilo.”

    Leia Mais

  • Stand Up Paddle

    A nova mania das praias cariocas e de todo país o SUP – Stand Up Paddle. Surfe, bodyboard, windsurfe, as praias sempre foram lugar de esportes aquáticos com pranchas. No Rio, em específico, ainda mais, por causa da água e das ondas, sempre trouxeram grande quantidade de esportistas. O esporte consiste em permanecer de pé sobre a prancha, e se locomover pelas águas através do uso de um remo. Originário do Havaí o SUP, traz esforço físico combinado com o contato com a natureza. Por ser um trabalho constante de equilíbrio trabalhamos diversas musculaturas ao mesmo tempo, afirma Cau Saad, educadora física. São elas: Core; Membros superiores; Membros inferiores; A musculatura permanece em contração o tempo inteiro para nos manter em pé sob a prancha. Reprodução da internetO ritmo pode ser ditado pelo próprio praticante, assim como o tempo de duração, que pode para iniciantes variar de acordo com o cansaço. O SUP pode sim, ser inserido em uma rotina de treinos, por exemplo, para quem tem fácil acesso a lugares que possibilitem a prática, como pode ser compreendido como uma modalidade esportiva, tudo vai variar de acordo com o objetivo de quem prática. Além de ser uma modalidade que abrange uma larga faixa etária é uma atividade democrática, pois o meio no qual se prática não gera custo algum, além do material de uso pessoal. E é um exercício completo, trabalha simultaneamente diversas musculaturas, perfeito para quem quer inserir uma atividade prazerosa, diferente e intensa em sua rotina. Reprodução da internetO Stand Up serve tanto para momentos de lazer, pois é uma atividade prazerosa, como também pode ser utilizado como uma ótima atividade física. Tem um alto gasto calórico devido ao trabalho intenso de todas as musculaturas. Trabalha o fortalecimento do core e das articulações principalmente de membros inferiores. E contribui para a tonificação de membros superiores, ressalta Cau.

    Leia Mais

  • Lipomodelagem Orgânica

    A técnica de Lipomodelagem Orgânica, criada por Eliane Monteiro, consiste em uma massagem que produz a redução imediata do edema (inchaço e retenção de líquido). Os benefícios vão muito além da estética, redução imediata das medidas, e também traz benefícios a saudade, sensação de bem estar, pois dentro da técnica a gente manipula bastante o sistema linfático, sistema circulatório e a parte intestinal, conta Eli, como é chamada por suas clientes. Esse trabalho não é uma drenagem linfática e também não é uma massagem modeladora, nem um mix das duas. É uma técnica que Elaine desenvolveu há 18 anos para tratar o edema, a retenção de líquido, o inchaço, e trabalhar também o sistema circulatório. A Cleo gosta dessa técnica, onde é usada a pressão e não a força pra eliminar de imediato o edema, um trabalho totalmente manual feito com óleo de coco orgânico. ExemploA Lipomodelagem Orgânica vem tomando força no mercado desde o ano passado e agradando cada vez mais as pessoas ligadas ao mundo da estética e também quem está preocupado com a saúde. Além de ser um trabalho manual, sem uso de cremes com princípios, ainda é indicado o uso de um suco detox. Se a cliente tiver alguma queixa de intestino preso, de gases, ou incômodos voltados para região abdominal, indico um suco que eu desenvolvi aqui, para quando elas vieram fazer massagem, assim a libração das toxinas é imediata, diz Eli. O tratamento não deixa roxo ou machuca a pele. A perda de peso chega até um 1 kg e meio por sessão, dependendo da pessoa, isso relativo ao líquido acumulado, edema. Devido ao sucesso da técnica Elaine Monteiro tem ministrando um curso sobre Lipomodelagem Orgânica pelo país, pra formar profissionais na área. Espaço Eli -ClínicaPor não utilizar cremes milagrosos e nem aparelhos específicos é bem fácil de ser repassada e aprendida por quem participa, facilitando a troca e o entendimento sobre o processo. Ficou com vontade de saber mais sobre técnica, tá querendo reduzir medidas, sentir mais leve? Vale ressaltar que os atendimentos são com hora marcada, portanto, não demora. A Eli atende nos Jardins em São Paulo, na Rua José Maria Lisboa- 860, conjunto 63. O telefone de contato é (11) 94775-4467, instagram @eli_esteticista, e caso não esteja em São Paulo, você pode procurar na sua cidade alguma esteticista que já tenha aprendido a técnica com a Eli.

    Leia Mais

  • Lipo Modelagem Orgânica

    A técnica de Lipo Modelagem Orgânica, criada por Eliane Monteiro, consiste em uma massagem que produz a redução imediata do edema (inchaço e retenção de líquido). Os benefícios vão muito além da estética, redução imediata das medidas, e também traz benefícios a saudade, sensação de bem estar, pois dentro da técnica a gente manipula bastante o sistema linfático, sistema circulatório e a parte intestinal, conta Eli, como é chamada por suas clientes. Esse trabalho não é uma drenagem linfática e também não é uma massagem modeladora, nem um mix das duas. É uma técnica que Elaine desenvolveu há 18 anos para tratar o edema, a retenção de líquido, o inchaço, e trabalhar também o sistema circulatório. A Cleo gosta dessa técnica, onde é usada a pressão e não a força pra eliminar de imediato o edema, um trabalho totalmente manual feito com óleo de coco orgânico. ExemploA Lipo Modelagem Orgânica vem tomando força no mercado desde o ano passado e agradando cada vez mais as pessoas ligadas ao mundo da estética e também quem está preocupado com a saúde. Além de ser um trabalho manual, sem uso de cremes com princípios, ainda é indicado o uso de um suco detox. Se a cliente tiver alguma queixa de intestino preso, de gases, ou incômodos voltados para região abdominal, indico um suco que eu desenvolvi aqui, para quando elas vieram fazer massagem, assim a libração das toxinas é imediata, diz Eli. O tratamento não deixa roxo ou machuca a pele. A perda de peso chega até um 1 kg e meio por sessão, dependendo da pessoa, isso relativo ao líquido acumulado, edema. Devido ao sucesso da técnica Elaine Monteiro tem ministrando um curso sobre Lipo Modelagem Orgânica pelo país, pra formar profissionais na área. Espaço Eli ClínicaPor não utilizar cremes milagrosos e nem aparelhos específicos é bem fácil de ser repassada e aprendida por quem participa, facilitando a troca e o entendimento sobre o processo. Ficou com vontade de saber mais sobre técnica, tá querendo reduzir medidas, sentir mais leve? Vale ressaltar que os atendimentos são com hora marcada, portanto, não demora. A Eli atende nos Jardins em São Paulo, na Rua José Maria Lisboa- 860, conjunto 63. O telefone de contato é (11) 94775-4467, e caso não esteja em São Paulo, você pode procurar na sua cidade alguma esteticista que já tenha aprendido a técnica com a Eli.

    Leia Mais

  • Visibilidade Trans

    No domingo, 29 de janeiro, é celebrado o Dia da Nacional da Visibilidade Trans, marco da luta pela cidadania e respeito às travestis, homens e mulheres trans. A data foi criada em 2004 e tem como objetivo ressaltar a importância do respeito a esse grupo na sociedade brasileira. Ainda hoje, a população de trans e travestis tem grande dificuldade no acesso à educação, trabalho e saúde, além de ser vítima de violência e preconceito diariamente. O Brasil é o país com maior índice de assassinatos de transexuais e travestis, segundo o relatório divulgado pela ONG Transgender Europe (TGEU), mais de 600 mortes no período entre janeiro de 2008 e março de 2014. Em contraponto, no país, a busca por pornografia trans é uma das maiores do mundo, segundo pesquisa de site pornô. Não mostra números específicos, mas ressalta algumas características sobre a relação do país com a pornografia. “Você tem 89% mais chances de pesquisar sobre transexuais [no RedTube], se vier do Brasil”, afirma o texto. Um paradoxo quando relacionado ao número de mortes por transfobia. Athos Souza, 27 anosO número de transexuais femininos no país, homens que retificam o sexo para feminino é muito maior que o inverso, mulheres que retificam sua sexualidade e gênero para o masculino. Os casos de trans-homem são crescentes, no entanto, existe ainda pouca visibilidade. Athos Souza, 27 anos, gerente de marketing, diz que, infelizmente, a visibilidade é bem falha com toda certeza, até mesmo dentro do meio LGBT. “Demorei muito tempo até ouvir falar em homem trans, porém a primeira vez na vida que escutei o termo foi em uma reportagem com o João W. Nery, foi quando resolvi pesquisar sobre o assunto e me deparei com uma quantidade enorme de homens trans que eu não fazia ideia da existência”, reflete Athos. Talvez pelo fato de querer evitar a transfobia, evitar algum tipo de violência muitos preferem não se identificarem como trans (fato que não nos torna menos homem que um cis), percebo também o quanto as mulheres trans e travestis são unidas se tratando da luta pelos seus direitos, elas tem voz ativa e é graças a elas que nós estamos começando a mudar a nossa situação atual. Eu procuro fazer minha parte por essa visibilidade fazendo questão de me apresentar como homem TRANS, pois as pessoas precisam saber que nós existimos e podemos ocupar qualquer espaço. As pessoas são múltiplas e plurais. Até a masculinidade é no plural: masculinidades. E tanto as masculinidades quanto as feminilidades são invenções sociais, que mudam de cultura para cultura, de tempos em tempos. Ainda hoje formam psicólogos, enfermeiros, médicos etc. que não sabem a diferença entre gênero e sexo. É necessário de debater mais, falar sobre o assunto, desfazer amarras e se propor a escutar o outro, dialogar. A cantora Valéria Houston Barcellos, 37 anos, há dois anos retificou sua documentação, conseguindo por fim ter seu nome modificado nos documentos, inclusive na certidão de nascimento. Antigamente era possível trocar de nome na identidade e certidão, no entanto o sexo não mudava nos documentos, somente modificaria caso a pessoa fizesse uma cirurgia pra tal. A evolução no processo afirma que o gênero independe da genitália, sendo a transsexualidade algo mental e não genital, pontua Valéria. Valéria Huston Foto: Igor Mota“É meio louco pensar que toda essa história de retificação de nome tenha todo esse empecilho. As pessoas precisam entender que ser transsexual independe de genitália ou de aparência física. Enquanto isso não acontecer, enquanto tiver essa aura, esse universo que circunda o meio trans, que esbarra na sexualidade na marginalidade, vai continuar sendo assim. Atitudes como essa de vocês é muito importante, as pessoas precisam se aproximar de tudo isso, saber mais sobre, trocar informações. Conheça antes, deixe-nos aproximar, queremos nosso espaço, nada além”, Valéria Houston. O mercado de trabalho quase inexiste para as pessoas trans, a maioria acaba se prostituindo por falta de opção de empregos. Um característica que precisa mudar. Algumas empresas e organizações espalhadas pelo Brasil buscam inserir estas pessoas na sociedade de trabalho de forma que possam exercer funções diversas na sociedade- recepcionista, atendente, vendedor, professora, médico, entre tantos outros trabalhos possíveis de serem exercidos por seres humanos. O meio artístico sempre foi mais receptivo para a transgenia e transsexualidade, como um espaço mais livre e aberto, muitos profissionais da beleza, artistas, esteticistas são trans e abrem caminhos para que outros se espelhem e busquem seu lugar. A maquiadora paulista Carol Prada é uma exemplo disso, profissional da beleza, ela atua no mercado há 15 anos e é uma das profissionais mais procuradas. “Eu acho maravilhoso ser maquiadora. Me sinto, às vezes, a fada madrinha da cinderela. Diria que o mercado dá beleza nos recebe sempre de braços abertos, é como coração de mãe sempre cabe mais um(a). E o que vai nos manter nesse mercado é o profissionalismo e claro muita coragem e gentileza. Para todxs que quiserem se integrar no mercado de trabalho, pra mim o mais importante, em qualquer área é gentileza, educação e coragem”, pontua Carol. Carol PradaPra Joana Couto, modelo, ser mulher trans tem muito a ver com realização. E com o ser político, abrir espaço e representar. Com 26 anos de vida o mercado de trabalho tem sido muito mais amistoso do que pude imaginar antes da transição, mas ainda levando em consideração outros privilégios como ter tido apoio da família e estudos, afirma. Eu diria que vale a pena o nosso direito de ser, mesmo com as dificuldades, é muito bom ter a liberdade de ser. E juntas, unidas, somos muito mais visíveis e fortes. E nossos diretos estão sendo exigidos e conquistados. Não podemos nos esconder! “Acho pertinente dizer que não devemos enlouquecer a procurar a normatividade desenfreada, um casamento só por status ou imposição social. Seja livre,” ressalta Joana. JoanaO caminho de aceitação e inserção social vendo sendo criado, mas há muito ainda para se percorrer para que esse grupo seja, de fato, acolhido pela sociedade e possamos ter e ver mais trans ocupando cargos de destaque na sociedade, com maior aceitação e admiração, pois afinal, a sexualidade de cada um é de cada um, o que interessa realmente é o caráter, o que se é como ser humano. Que o dia 29 de janeiro seja a lembrança de que se deve ir além, muito mais além.

    Leia Mais

  • Saia longa?

    POR: Carol Souza As saias são sempre muito usadas e as queridinhas nos looks de verão, não é mesmo? Só que agora as saias são longas, isso mesmo, as saias longas invadiram o closet feminino. Fendas, estampas, brilhos, texturas e transparências deixam as produções cada vez mais antenadas. Saiba como aderir já e vista-se com o novo. Fique cool para a época mais quente do ano. As combinações são inúmeras e você apostar nas t-shirts, por exemplo. Quem disse que não ficam bem? Elas agora ganharam novo fôlego com estampas e detalhes diferenciados para deixar aquela produção básica ultracool. Tops/croppeds são o must have! Deixam o visual sexy na medida certa, além de uma proposta moderninha e atualizada. Ah, uma dica: nesses casos, para manter a elegância, use as saias de cintura alta. Alongam ainda mais a silhueta. Você já tem sua #tshirtcleo? Compre já a sua! Bodys O duo bodys + saias é perfeito! Simplificam o look, dão notoriedade e enriquece o shape. Como não apostar? Camisas As camisas também aparecem para dar aquele toque diferenciado. Um ar meio desalinhado despretensioso, sabe? Que garante uma versatilidade e dinamismo ao look. Várias formas de evidenciar ainda mais sua composição. As saias estão em voga e para cada proposta uma nova versão, seja elas com fendas, floridas, geométricas ou com brilho. O importante é apostar sem medo! Então, embarque no mood saia longa! Sim, elas estão com tudo!

    Leia Mais

  • Como se perder em… Punta del Diablo (Uy)

    Por: Anelise Fernandes O balneário fica à 50 km do Chuí (última cidade ao sul do Rio grande do Sul), reza a lenda que o nome se deu em decorrência dos inúmeros naufrágios que ocorriam na região, onde misteriosamente navios piratas naufragavam sem motivo aparente. Hoje em dia, o lugar está mais para coisa de Diós, do que para qualquer outro nombre. Muito devido a beleza, magia e encanto que pairam sob o vilarejo. Em sua origem, é uma vila de pescadores repleta de cabañas coloridas e com nome próprio (lá as casas não tem números e sim nombres, como um ser querido são batizadas pelos proprietários), hoje essa vila é também muito apreciada pelos turistas. Esta foi a terceira vez que viajo para o lugar, e sempre é maravilhoso de um jeito novo, acontece alguma coisa lá que atrai pessoas de todo canto e em quase todas elas, bate uma vontade de interagir, conversar, hablar um portuñol muito louco… Enfim, viver o agora com toda simplicidade e leveza que habitam a mais plena sensação de felicidade. O lugar conta com três praias: playa de la viuda, playa de los pescadores e playa del rivero, em todas elas a água do oceano atlântico é bem geladinha – cura qualquer ressaca! Rss. Os surfistas adoram, as famílias, os casais, e os solteiros também! Tanto o dia quanto a noite podem ser amplamente desfrutados. Por la noche há alguns bares abertos ao público (não se paga para entrar), destaco o Piratas, lá se pode entrar bebericando sua cerveza e bailar o reggaeton (o som deriva do reggae em espanhol do Panamá, influenciado pelo hip hop, salsa e música eletrônica) e outros ritmos latinos, também toca música brazuca e um dos motivos é porque eles nos amam, sobre isso não há dúvidas! Hahaha. O centrinho é muito charmoso e conta com várias opções de restauras e barzinhos, para saborear aqueles frutos do mar mais fresquinhos e deliciosos tragos. Nessa trip, fomos eu, minha irmã e uma amiga, alugamos uma cabaña por quatro dias e logo na primeira noite de festa fizemos vários amigos de toda parte, tinha: brasileiro, uruguaio, equatoriano, una chica boliviana e outra australiana. Imaginávamos que passaríamos a virada do ano nós três, mas que nada, essa galera linda nos convidou para passarmos juntos essa data, e não foi nada menos que mágico! Desfrutamos de um asado a moda uruguaia (parrilla) e mais que isso, desfrutamos das trocas entre pessoas que despretensiosamente são solidárias e empáticas umas com as outras, aceitando-nos mutuamente e enriquecendo com as diferenças culturais entre outras. Essa galera fez um som de muita qualidade, comemos, cantamos, bebemos e brindamos ao novo ano, depois um pulinho na praia para em seguida seguirmos para as festinhas espalhadas pela noite. Só sei que foi lindo e posso dizer que uma das melhores viradas de ano que já vivenciei, comecei 2017 com o coração cheio de coisas lindas, transbordando de gratidão! Todo mundo deveria, ao menos uma vez dar um pulinho lá, e vai ser fácil entender essa energia de Diós! “Quem não vive agora não vive nunca. O que você está fazendo?” Piet Hein

    Leia Mais

  • E o tom da vez é o Greenery

    E o tom da vez é o Greenery Bem-vindo 2017! Publicado em 19/01/2017 Por: Carolina Souza A Pantone, fornecedora profissional mundialmente conhecida pelo seu padrão em cores para a moda e design, elege a cor do ano – o Greenery. Um verde musgo ao mesmo tempo com um certo tom vibrante, e que você não pode deixar de apostar nos looks do verão. Sem ser caricata a cor já se apropriou do closet feminino. Descubra como usar e não tenho medo de arriscar, afinal a cor que representa a esperança e nossa ligação com a natureza, segundo a Leatrice Eiseman, diretora executiva do Pantone Color Institute. Então, deixe as cores básicas de lado e torne o Greenery o seu pretinho básico para todas as horas. Aposte: Peças únicas como macacões e vestidos; escolha uma peça da produção para ser o foco de luz, o foco principal. Calça, saia ou top. Acessórios também entram em cena com força total para deixar aquela composição sem sal sem açúcar, as meninas dos olhos. Revigore-se com a cor que permeará por toda a estação com propostas diferenciadas e o toque certo você garante looks invejáveis. Comece com o novo, forte e vitalício. Assim seu ano será muito mais leve e claro, fashionista e sempre antenada com o que tem de mais novo no mercado. 2017 começou com força total! Aproveite a cor da estação para um upgrade garantido nessa temporada! NOVIDADES DA CLEO Cadastre-se aqui para receber novidades da Cleo

    Leia Mais

  • É verão, cuidado com o mosquito!

    Vem chegando o verão, o calor no coração, essa magia colorida, são coisas da vida… como exalta a cantora Marina Lima neste hino eterno da estação, mas junto de toda alegria, beleza e calor, alguns problemas assolam o país. Como o mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Com a estação mais quente, os locais propícios para a criação do mosquito se multiplicam e a população deve se mobilizar para eliminar os focos. Como nessa época o clima fica mais quente e úmido, os ovos do mosquito se abrem com maior facilidade, aumentando a proliferação do inseto. A massificação das informações é necessária para reforçar a proteção contra o mosquito Aedes Aegypti, em especial às gestantes, pela associação do vírus zika com a microcefalia em bebês, a população ficou mais alerta, no entanto não se pode esquecer da dengue, e do chikungunya, vírus que causa dores nas articulações e que demora meses para que o infectado se reestabeleça. Degue, Zica e Chikungunya A dengue tem como principais sintomas a febre alta e repentina, que geralmente dura de 2 a 7 dias. Também há intensas dores de cabeça, atrás dos olhos e no músculo. É comum que haja perda de peso, náusea e vômitos. A Chikungunya tem como característica mais marcante as dores intensas nas articulações dos pés, das mãos, dos dedos, dos tornozelos e dos pulsos. Também há febre alta, com duração de dois a três dias, e, em 30% dos casos, conjuntivite. Os sintomas aparecem entre dois e doze dias após a picada do mosquito e, depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida. O vírus da Zika tem o aparecimento no corpo de manchas avermelhadas, que coçam bastante, como principal sintoma. Também pode haver dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, coceira e vermelhidão nos olhos. Os sintomas tendem a desaparecer no período entre três e sete dias. Nenhuma dessas três doenças tem tratamento específico, são tratadas com base nos sintomas que o paciente apresenta. Não deve se automedicar para que não haja complicações. Repouso e ingestão de bastante líquido também são indicados durante os dias de manifestação dos sintomas. Ações de prevenção Eliminar os focos de água parada. Poucos minutos bastam para fazer uma vistoria em casa para manter o ambiente limpo. Pratinhos com vasos de planta, ralos, baldes, garrafas, calhas, pneus e até brinquedos podem ser os vilões e servir de criadouros para as larvas do mosquito.Não importa se você mora em apartamento ou casa, o mosquito Aedes aegypti pode encontrar um recipiente com água parada para depositar os ovos e se reproduzir. Utilização de repelentes, sejam eles químicos ou naturais diminuem a probabilidade de contrair os vírus. Diversas marcas oferecem o produto e para diversos tipos de pessoas, é importante antes da compra averiguar se não possui alergia, e buscar o que melhor atende a suas necessidades Como não existem vacinas ou medicamentos, a única forma de prevenção é acabar com o mosquito, eliminando os possíveis criadouros. Além disso, roupas que não deixem a pele exposta, repelentes, inseticidas e mosquiteiros também podem ajudar a proteger das picadas.

    Leia Mais

  • Chapéu Panamá

    Calor, sol, mar, praias, rios, lagoas, paisagens de verão, dias iluminados, looks leves e claros… junto de tudo isso ele chega como peça chave da estação, o chapéu Panamá. A história desse clássico inicia no século XVI, quando os espanhóis conquistaram o Equador e perceberam que os nativos calçavam chapéus de palha semelhantes as freiras e viúvas na Europa. Esse tipo de touca cobria as orelhas e ombros, chamando-se assim, Toquillas, que deu o nome a “palha toquilla”. O processo químico diferenciado produz o branqueamento da palha e a utilização de uma palha mais grossa para permitir a confecção rápida dos chapéus. Aproveitando-se do trabalho indígena as toquillas foram substituídas pelo design dos modelos europeus, atingindo a nobreza colonial espanhola. Após a independência do Equador, o empresário Manuel Alfaro estabeleceu uma produção de chapéus em Monticristi e com os negócios em franca expansão aproveitou-se da importância comercial do Panamá e iniciou a exportação para o país. Em pouco tempo já tinha aberto lojas no Panamá, atraindo atenção de pessoas do mundo inteiro e disseminando a associação dos chapéus equatorianos ao Panamá. Já pensou que lindo uma #tshirtcleo com um chapéu desses para encarar o verão com estilo? Peça já a sua! Em Hollywood, na década de 40, popularizou-se o uso dos chapéus Panamá pelas estrelas, tanto fora das telas como também nas produções, como em “E o Vento Levou…” e “Casablanca”. Era comum ver atores, músicos e pessoas da alta sociedade usando um chapéu do modelo Panamá. De acessório masculino para o guarda-roupa feminino foi um pulo. O chapéu Panamá tem sido destaque em diversos desfiles de moda e já conquistou famosas e fashionistas mundo a fora ganhando as ruas. Além do chame ao visual ele dá um toque despojado aos looks e protege o rosto e o dorso em dias ensolarados. Mesmo no inverno e em baixas temperaturas ele pode ser usado com muito estilo, sendo o panamá original ou modificando-o um pouco, mudando o material de que é feito e o formato, se tornando uma inspiração para todas as estações. Dicas de como usar o Chapéu Panamá – Não é preciso combinar as cores do seu look por causa do chapéu, ele pode contrastar com as cores e texturas. – Prender o cabelo em um coque baixo, ou um rabo de cavalo Deixa o visual charmoso, além de refrescar. – Ele pode ser usado tanto com moda praia quando num look street mais casual. – Optar por um sapato despojado, uma sapatilha, um chinelo ou sandália suaviza o visual e encaixa muito bem com o chapéu. – Chapéu Panamá cai bem com vestido, saia, calça, macacão, túnicas, saídas de banho, enfim, tudo, basta você se animar e criar um look. Dicas de conservação – Não molhar – Evitas dobra-lo por mais de 48h. – Para limpar algumas manchas que ele venha a ter, passe borracha de lápis. – Mesmo o chapéu não podendo ser molhado ele precisa de umidade para se mantar e conservar a flexibilidade.

    Leia Mais

  • Casa Arte Vida

    Promover o desenvolvimento social por meio da educação, com foco nas dimensões cultural, social e de construção da cidadania. Reproduzir um modelo de desenvolvimento sustentável e descentralizado em diversas localidades, respeitando os valores fundamentais do projeto. A Casa Arte Vida é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que promove cidadania e cultura, visando o desenvolvimento social. O objetivo do projeto é realizar trocas culturais, desenvolver novas formas de se relacionar socialmente e ampliar as capacidades técnicas das comunidades atendidas. Questões como autonomia, visão crítica e estímulo à criatividade podem ser vistas como centrais no desenvolvimento do projeto. Reprodução da InternetSituada em Pedra de Guaratiba, na Zona Oeste do município do Rio de Janeiro, a Casa Arte Vida, está presente em uma região que demanda ações sociais em função do baixo IDH (118º). Cerca de 70 crianças de 5 a 12 anos no contra turno escolar, 60 jovens de 12 a 18 anos e adultos, com atividades multidisciplinares de educação, cidadania, cultura e geração de renda através de capacitação profissional, são atendidos pelo projeto. São oferecidos educação complementar e capacitação profissional. O complemento educacional é elaborado sob os princípios de valorização de construção do pensamento e conhecimento como ferramenta de autonomia do indivíduo. Através do projeto é buscado o desenvolvimento de interesses, competências e habilidades das crianças e jovens atendidos. Reprodução da InternetAtividades multidisciplinares propõem o estímulo à criatividade, de forma sistêmica, como recurso para buscar melhores soluções para as questões e demandas sociais coletivas. O grande desafio é despertar a transformação social local a partir do exercício da cidadania e incentivar uma cultura de solidariedade. A capacitação profissional incentiva por meio de oficinas de capacitação e qualificação de jovens e adultos em áreas que tenham significativa demanda de serviços, como: construção civil, turismo ecológico, informática, artesanato e culinária. “As expectativas para 2017 são boas, apesar do momento de crise, vamos conseguir aumentar o número de crianças de 5 a 12 anos atendidas, e o número de oficinas sócio educativas para jovens de 13 a 17 anos. Esperamos poder aumentar o número de parceiros para garantir os atendimentos”, afirma a Coordenadora de projeto Roberta Macedo. Em 2017 o projeto pedagógico da Casa Arte Vida estará focado no uso da tecnologia como ferramenta de desenvolvimento pessoal e coletivo, promovendo ações dentro e fora da sala de aula. O projeto conta ainda com aulas de inglês, robótica, programação de dados, softwares gráficos, reforço escolar, educação ambiental, teatro e uma série de atividades ligadas à cidadania, incidência política e cultura, com passeios e visitas guiadas aos principais equipamentos culturais da cidade. Roberta ressalta que desde 2007 o projeto vinha crescendo significativamente ano a ano. Em 2015, com a crise econômica, o ritmo de crescimento deu uma pausa. Neste momento estamos focados em manter a qualidade e aumentar a oferta de projetos. Para isso estamos trabalhando muito a captação de recursos, com campanhas e desenvolvimento de novas parcerias. Reprodução da InternetComo colaborar com o projeto A organização não governamental depende do auxílio e contribuição para s emantar. Se você quer ser um padrinho e ajudar a manter a Casa Arte Vida, preencha e envie a ficha de inscrição que existe no site do projeto e receberá mensalmente um boleto bancário. Você também pode doar através de depósito bancário ou pelo PagSeguro, utilizando seu cartão de crédito. Não somente de doações em dinheiro se mantém a Casa Arte Vida, doações de alimentos e voluntariado são importantes também para manter o funcionamento do projeto. São várias formas de ajudar, basta escolher a que melhor se encaixa no seu perfil e participar. E para saber mais do projeto siga instituição nas redes sociais: Site: www.casaartevida.org.br Twitter e Instagram: @casaartevida Facebook: https://www.facebook.com/casa.arteevida/

    Leia Mais

  • Yohji Yamamoto

    Reconhecido pelo espírito vanguardista de sua roupa. Sua assinatura – silhueta oversized em preto, muitas vezes característica o alçou a grande ícone mundial fashion. Colaborou em peças, coleções e linhas com várias outras marcas, incluindo Adidas (Y-3), Hermès, Mikimoto e Mandarina Duck; E com artistas como Tina Turner, Sir Elton John, Placebo, Takeshi Kitano, Pina Bausch e Heiner Müller. Nascido em Tóquio, Yamamoto formou na Universidade de Keio com uma licenciatura em Direito em 1966. Seus novos estudos em design de moda na Bunka Fashion College foram realizados em 1969. Reprodução da InternetColaborou para obras cinematográficas de grande porte, sob direção de diretores renomados como Wim Wenders em Identidade de nós mesmos (1989), onde foi tema do filme, o diretor o acompanhou por Paris e Tóquio enquanto Yamamoto criava uma coleção; Dolls (2002), de Kitano Takeshi, foi responsável pelo figurino onírico e simbolista. Reprodução da InternetYamamoto contribuiu pra moda e seu desenvolvimento de forma contundente, mesmo indo, muitas vezes, contra o fluxo da moda comercial. Sua relação com figurino e indumentária torna seu universo diferenciado. O influente designer inaugurou recentemente uma exposição em Tóquio com imagens, esculturas e instalações artísticas criadas pelo próprio. Desde 10 de dezembro na Galeria de Arte da Cidade da Ópera de Tóquio, ‘Painting and Weaving Opportunity’ explora a inspiração recente do designer para combinar suas criações com pinturas, assim como outras relações entre opostos como o 2D e o 3D e o macho e a fêmea. Desde seu início em 1981, Yohji Yamamoto tem sido considerado um dos criadores mais influentes da indústria, criando designs inesperados que seguem sendo relevantes hoje e impulsionando tendências com sua oferta atual. Suas obras estão em exibição junto com criações de Yuuka Asakura, uma jovem artista japonesa que tem sido uma influência frequente nas coleções de Yohji Yamamoto nas últimas temporadas. A exposição também inclui roupas apresentadas em manequins de forma única, levando os visitantes a adotarem uma nova e livre perspectiva sobre a moda. Reprodução da Internet

    Leia Mais

  • Sociedade Viva Cazuza

    Se Agenor de Miranda Araújo Neto fosse vivo, hoje estaria com quase 60 anos, no entanto, Cazuza, como é reconhecido mundo afora, foi uma das primeira figuras públicas a falecer de problemas decorrentes do vírus HIV no país, na década de 80. No auge da carreira Caju, como era conhecido por amigos íntimos, deixou uma lacuna para os familiares e fãs. A tragédia fez com que a família criasse a Sociedade Viva Cazuza, em 1990. Maria Lúcia Araújo (Lucinha Araújo) e João Araújo, seus pais, juntos com amigos e médicos, com o intuito de dar apoio aos pacientes com AIDS/HIV, se uniram para dar suporte aos portadores da doença. Cansada de ver várias crianças soropositivas serem abandonadas pelas famílias, Lucinha ela passou a dedicar todo o seu tempo e carinho de mãe que antes exclusivo para o seu único filho Cazuza, já morto pela doença, à meninos e meninas que passaram a viver na casa. reprodução da InternetProporcionar assistência e prevenção à aids, possibilitando dar dignidade e qualidade de vida àqueles afetados direta ou indiretamente pelo HIV, principalmente à população carente e/ou com menor acesso a informações corretas sobre os meios de prevenção, diminuindo a mortalidade pela aids, é o foco principal do projeto, mas ele vai além. A Sociedade Viva Cazuza é centrada na Casa de Apoio Pediátrico que mantém crianças e adolescentes entre recém nascidos até jovens de 19 anos de idade. Tentando suprir as necessidades de cada um, e para aqueles com maior tempo de permanência buscam dar possibilidade de fazê-los ter uma vida independente. Ainda realizam assistência social com o intuito de compreender a dinâmica diária de cada paciente para entender o motivo da falha no tratamento e propor alternativas para melhorar a adesão. São feitos encaminhamentos para serviços jurídicos, dentários, psicológicos e etc. quando requisitados. Os atendimentos são realizados uma vez por mês por um assistente social e agente de saúde com doação de uma cesta básica para cada paciente. reprodução da InternetPalestras de prevenção e tratamento, assim como campanhas públicas são realizadas pela equipe do projeto. Conscientização por meio das mídias sociais visando atingir o público jovem que segundo o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde está entre um dos mais vulneráveis para o HIV/Aids. Incrementou o website www.vivacazuza.org.br trazendo informações atualizadas científicas sobre o tema assim como sobre as políticas públicas de saúde, atingindo uma média de 20 mil acessos mensais. reprodução da InternetSeguindo a letra da canção – “… quem tem um sonho não dança…”, a fundação para seguir em funcionamento, fazendo do sonho realidade, necessita de auxílio para dar continuidade aos trabalhos. As dificuldades são constantes, pois se mantém de direitos autorais provenientes da obra de Cazuza, no entanto os gastos ultrapassam o valor recebido e o auxílio se faz necessário. Para colaborar você pode entrar no site da instituição e contribuir. Pois em tempos difíceis, é necessária uma ideologia para viver, como cantava Cazuza embando os sonhos de uma geração. Contatos: Sociedade Viva Cazuza Rua Pinheiro Machado, 39 – Laranjeiras Rio de Janeiro RJ Telefone:+55 21 2553-0444 E-mail: [email protected] Facebook:@vivacazuza Instagram: @vivacazuza

    Leia Mais

  • Dos oceanos para o guarda-roupa

    É enorme a quantidade de resíduos plásticos nos oceanos do nosso planeta o que resulta em ilhas de lixo flutuantes, ecossistemas se adaptando a habitats poluídos e pássaros se contaminando com toxinas. Essas consequências já são bem conhecidas, mas ainda existe muito que não sabemos sobre o grande lixão no qual transformamos o oceano. Segundo pesquisadores de diversos países em estudo publicado na PLOS One revela a primeira estimativa da quantidade total de resíduos plásticos que flutuam em nossos oceanos. Eles estimam que a quantidade total é de 5,25 trilhões de partículas plásticas, contabilizando 269 mil toneladas de plástico. reprodução da internetPensando nisso o mundo fashion iniciou, há algum tempo, um processo de reaproveito, reciclagem destes resíduos para feitio de peças, influenciando no consumo sustentável, na responsabilidade social e ecológica. Grandes marcas já utilizam tecidos feitos a partir de plástico dos oceanos. A atitude pode não ser a solução, mas auxilia na diminuição da poluição por meio da reutilização da matéria prima. Um fabricante de roupas e equipamentos de surf, decidiu criar uma linha feminina de roupas de banho confeccionada com o plástico retirado dos oceanos. Segundo o site Hypeness, a criação foi possível graças ao Econyl, um fio de nylon criado pela empresa italiana a partir de resíduos de plástico como redes, tapetes, etc. Ela utiliza então o Econyl em uma proporção de 22%, juntamente com outras matérias-primas. O campeão mundial de surf Kelly Slater, também criou uma coleção em parceria com a Aquafil. Recentemente uma marca de calçados lançou o primeiro tênis feito 100 % com plástico retirado dos oceanos. Em edição limitada, é tricotado e isso gera resíduos zero em comparação com o processo de corte necessário para a maioria dos outros tênis. O objetivo maior é trabalhar novas tecnologias para mudar o status do consumo de plástico no mundo. reprodução da internet 

    Leia Mais

  • SOS Mata Atlântica

    Sobre o manifesto do SOS Mata Atlântica se pode dizer: que a humanidade só garantirá a qualidade de vida quando souber conviver em harmonia com o ambiente em que vive; Que a responsabilidade da preservação é de toda a sociedade, com ações praticadas no seu dia-a-dia; Que a sensibilização de um indivíduo é a base da mobilização coletiva; Que a nossa luta é hoje, agora e deve ser renovada a todo momento; Não podemos deixar para agir amanhã; Que a sustentabilidade da vida no planeta depende de uma economia que tenha o sócio ambiental como premissa. reprodução da InternetAssim se enuncia 30 anos de luta pela mata brasileira. Na década de 1980, cientistas, empresários, jornalistas e defensores da questão ambiental se aproximam e lançam as bases para a criação da primeira ONG destinada a defender os últimos remanescentes de Mata Atlântica no país. O ideal de conservação ambiental da entidade, criada em 20 de setembro de 1986, associa-se ao objetivo de profissionalizar pessoas e partir para a geração de conhecimento sobre o bioma. A história da Fundação SOS Mata Atlântica foi construída através da mobilização permanente e da aposta no conhecimento, na educação, na tecnologia, nas políticas públicas e na articulação em rede para consolidação do movimento socioambiental brasileiro. reprodução da InternetO tripé – floresta, mar e cidade, movem o projeto por meio das ações de educação ambiental, uma vez que estes convivem entre si e necessitam uma boa troca, sem que nenhum passe por perdas irreparáveis e destruição. Em 2017 a missão se renova para monitorar o desmatamento da Mata Atlântica, promover a restauração da floresta, a proteção do mar e da costa, acompanhar e cobrar políticas públicas, realizar educação ambiental, mobilização e campanhas. Para doar e apoiar o projeto acesse o site – https://www.sosma.org.br/apoie/ e faça sua parte. Se cada um doar um pouco, muito poderá ser feito por nós.

    Leia Mais

  • Grupo de teatro Piollin Completa 40 anos

    A companhia paraibana começa em 1977, quando um grupo de atores ocupou salas abandonadas do convento Santo Antônio, na cidade de João Pessoa, conquistando um lugar para o desenvolvimento de atividades de estudo e de produção de teatro. Iniciava-se, assim, a Escola Piollin, fundada por Luiz Carlos Vasconcelos, Everaldo Pontes e Buda Lira, um núcleo de atores que, além da preocupação com a pesquisa e experimentação cênicas, atuou incisivamente no campo da formação de crianças e adolescentes, tornando a escola um ponto de convergência da chamada produção cultural alternativa, entre final da década de 1970 e início da década seguinte. Integram o Piolllin, duas organizações interdependentes: o Centro Cultural Piollin (antiga Escola Piollin) e o Piollin Grupo de Teatro. A primeira organização atua na área de arte e educação, além de administrar três dos quatro imóveis que integram o Piollin. O Piollin Grupo de Teatro tem se dedicado cada vez mais intensamente à sua atividade artística. A partir de 2005 a Escola Piollin passa a denominar-se Centro Cultural Piollin e segue dando continuidade aos projetos pedagógicos. Quarenta anos depois O Piollin mantém suas atividades de pesquisa cênica e estende seus projetos pelo Brasil. Em comemoração aos anos dedicados a arte teatral, de 19 de janeiro até 10 de fevereiro, acontece o IV Festival de Teatro, ao todo serão sete espetáculos a passarem pelo projeto, com a presença de grupos convidados da cidade de Natal-RN, Fortaleza-CE, o trabalho solo e oficina da atriz Raquel Rocha e também com duas produções do ator e diretor do grupo João Paulo Soares. Os convites à preços populares tem o intuito de tornar a arte democrática e acessível a todos. Espetáculo A Gaivota (alguns rascunhos)Direção: Haroldo RegoFoto: Adalberto LimaEm entrevista o ator e fundador do Piollin, Buda Lira, que recentemente participou do filme Aquários, que movimentou o cenário artístico e político nacional fala um pouco sobre a criação do grupo e as expectativas para mais longos anos de produção artística. Para Buda o grupo significa um importante núcleo de experimentação de teatro, mas principalmente um espaço necessário à formação de agentes nas áreas de gestão e produção cultural, justamente porque tem insistido em encarar os desafios de ampliar o acesso ao conhecimento, as formas de expressão e de comunicação em áreas que a população em geral não tem proximidade: artes cênicas, a produção local de música, cinema, etc, que ainda não se propaga nos médios e grandes meios de difusão. Principalmente por parte de setores sociais com maior dificuldade de ter acesso a produção cultural aos meios de expressão. Para o fundador o grupo apresenta três momentos distintos durante os 40 anos, o primeiro, inaugural, que vai de 1977 a 1990, o segundo, de 1992 a 2006 e um terceiro, que veio a partir de 2006 e que segue até agora. Essa fase que intitula de inaugural, esteve muito ligada ao momento de rupturas, busca por um espaço mais livre de expressão, em que não havia exigências externas, cobranças – ou um tipo de cobrança que se faz hoje, seja interna, seja de fora. “Então, o grupo pode fazer o que bem entendia e tinha como horizonte os parceiros mais próximos: grupos, artistas e público do próprio estado. Foi um momento de muita efervescência do Piollin na cidade de João Pessoa com repercussão nas cidades próximas da Paraíba”, afirma Buda. Buda LiraFilme: AquariusDireção: Kleber Mendonça FilhoDepois veio a etapa que foi marcada pela produção do espetáculo que deu grande projeção ao grupo: Vau da Sarapalha, direção de Luiz Carlos Vasconcelos. A Cia fixou-se nesse trabalho que teve uma demanda enorme de apresentações enorme. Até tentou retomar outros estudos, mas acabou focando nessa encenação e os seus desdobramentos para cada integrante desse espetáculo. A partir de 2006, numa virada absolutamente espontânea, o grupo encenou a “Gaivota (alguns rascunhos)”, fruto do encontro casual com o diretor Haroldo Rego, por intermédio do ator João Paulo Soares. Com esse espetáculo, o grupo se insere no bom momento que viveu o incentivo à cultura nesse período que se estende até 2014, participando de diversos editais, circulando pelo país. Ainda montou um segundo trabalho com Haroldo – “A Pá”. Como resultado da participação no edital de manutenção de grupos da Petrobras, o grupo encenou em 2010/2011, o espetáculo Retábulo com direção de Luiz Carlos Vasconcelos. Luiz Carlos Vasconcello e Cleo em O Tempo e o Vento de Jayme Monjardim imagem de internetLuiz Carlos Vasconcellos fundador do grupo Piollin, apresentou em Niterói o processo teatral com textos de Ariano Suassuna, sob direção de outro ator da cia que vem se destacando no cenário brasileiro como diretor e encenador, João Paulo Soares, que durante o festival apresentará seu novo espetáculo, tendo Buda Lira no elenco, junto de novos atores – Paulo Henrique Pontes e Geyson Luiz, os quais Paulo vem trabalhando ao longo do processo cênico do espetáculo 503. Para 2017 ainda pode-se esperar mais Piollin, da segmentação do grupo, considerando os diferentes desejos e necessidades de cada um, Buda Lira, Haroldo, João Paulo Soares e Raquel Rocha (atriz convidada) estão experimentando um novo projeto de encenação que iniciou o processo em novembro no Rio de Janeiro. “Gostaríamos de contar com mais pessoas que fizeram parte dessa história toda, mas tivemos que ajustar o evento ao momento. Mas, muitos felizes por poder manter esse festival e contar com pessoas e grupos bem especiais. Temos ainda a possibilidade de realizar um seminário sobre arte e educação, reunindo algumas das experiências valiosas nesse campo, junto com reedição do Festival de Palhaços, que o Piollin vem em períodos espaçados de sua história”, salienta Buda Lira.

    Leia Mais


TODOS OS BLOGS